Caros Leitores, desde a sua criação o Blog Xapuri News, o intuito sempre foi de ser mais um espaço democrático de noticias e variedades, diretamente da Princesinha do Acre - Terras de Chico Mendes - para o mundo, e passará momentaneamente a ser o instrumento de divulgação das Ações da Administração, Xapuri Nossa Terra, Nosso Orgulho, oque jamais implicará em mudança no estilo crítico das postagens.

sábado, 30 de agosto de 2008

Charge do Dia!!!

Enquanto isso uma velha e conhecida nossa......
Para quem não se lembrava da velha e querida inflação, ela está de volta e já é uma realidade no nosso dia-a-dia, e é nos supermercados que sentimos no bolso a presença dela...

Fica para deleite de todos no final de semana uma imagem clássica publicada no Jornal Correio da Cidadania do Chargia George...

Um abração a todos e até segunda...

Nada de Cobija no Final de Semana!!!

No final da tarde desta sexta-feira (29), rumores de que as pontes que dão acesso à cidade de Cobija, capital de Pando na Bolívia seriam fechadas neste final de semana, foram confirmados em protesto contra as medidas do Governo.

Boa parte do comércio ainda não sabiam sobre o “PARO CÍVICO” de 48 horas. Segundo os comerciantes, o prejuízo será grande já que os turistas não viram para Cobija fazer compras.

Empresários tanto do lado boliviano e brasileiro, principalmente da parte hoteleira, estão registrando uma perca de 40% de turistas que vinham no final de semana. Se caso continue, medidas como dispensa de funcionários deverão acontecer.

Já na região central da Bolívia alguns Estados estão tendo suas estradas bloqueadas por ruralistas juntamente com os postos de pedágios, que estão deixando de arrecadar cerca de 150 mil bolivianos por dia aos cofres federais.

Durante esta semana, cidade como Santa Cruz, com cerca de 700 mil habitantes, praticamente ficaram sitiadas devido as principais estradas terem sido bloqueadas afetando a economia local.

Segundo informações divulgadas por jornais locais, caso o presidente venha aprovar a nova Constituição, a situação tende-se a agravar no País. Vários protestos estão previstos em estados como Beni, Chuquisaca, Pando, Tarija e Santa Cruz.

O motivo maior dos protestos acontecem no País depois que o presidente Evo Morales suspendeu o repasse dos recursos dos Impostos Diretos Hidrocarbonetos (IDH). Somente no estado de Pando, fronteira com o Acre, cerca de 350 milhões de bolivianos, quase 100% do repasse foi cortado.

O “PARO CÍVICO” foi confirmado por jornalistas da cidade de Cobija e funcionários do Comitê Cívico. A presidente, Ana Melena, não encontrava-se e foi informado que estaria em reunião com líderes de associações e populares sobre possíveis manifestações que acontecerão neste final de semana.

Eta mundinho complicado - Teto de Vidro e Piso de Fogo


Muitos já comentaram a frase-desafio "você por acaso sabe com quem está falando?", lugar-comum de certa arrogância nacional. Outros já analisaram a expressão idiomática "fazer nas coxas", que denuncia outro comportamento nosso. E o "com certeza", que invadiu nossas conversas, aumentando a desconfiança...

Percebi recentemente o valor de outra frase que ajuda a nos definir. O "desculpe alguma coisa", ou o "desculpe qualquer coisa". O dito vem acompanhado de feições contritas. O pobre coitado pede perdão por algo de que não tem plena consciência. Vai saber o que fez...

Será essa frase resquício da atitude escrava, do servilismo de quem, antes de ser punido, já vai pedindo desculpas por alguma coisa, por qualquer coisa, pelo pecado que cometeu sem se dar conta?

A pessoa cumpriu a tarefa, realizou o serviço, concluiu o trabalho, entregou a encomenda, mas ainda assim sussurra compungida, ao sair, sorriso sem graça: "Olha, o senhor me desculpe qualquer coisa". Ora, como não hei de desculpar ser humano tão perdoável?!

A desculpa nasce da culpa. E a culpa não é de todo ruim. Tenho medo dos que jamais se sentem culpados, dos que nunca se arrependem de nada, dos que se consideram infalíveis. Mas me incomoda tanto ou mais ver alguém sentir-se culpado por alguma coisa, por uma qualquer coisa, por essa coisa terrível, genérica, sem causa, sem contornos.

Imaginemos que depois de escrever este texto, eu me sinta culpado por algo não ter dito, ou por uma vírgula talvez mal empregada, ou por uma idéia infeliz cuja infelicidade não percebo bem e acrescente, a modo de finalização, "Caro leitor! Prezada leitora! Desculpe qualquer coisa"...

Do que sentimos culpa, afinal? Que remorso é este? E há medo? Medo do inferno? Ou de apanhar de invisível palmatória, dolorosa e presente na imaginação? Pedimos desculpas como gesto de boa educação, expletivo sem motivo, maneira de provar que temos boas maneiras, que somos gente boa, pobre, porém honesta?

Quantos vivem aprontando e nunca pedem perdão?! Mas há os que pedem desculpa por tudo, por nada e por qualquer coisa. Outro dia, a porta aberta, já se despedindo, já com o pagamento no bolso, o técnico que veio fazer a manutenção dos computadores disse humildemente: "Desculpe alguma coisa, viu?".

Não resisti e perguntei: "Que coisa? Do que devo desculpar você?" O rapaz sorriu, pigarreou e... não respondeu.

E os índios Contra-atacam


Asneiras brasileiras
Carta Aberta á comunidade brasileira escrita por Yakuy Tupinambá


Alguém em sã consciência pode nos ajudar a encontrar um adjetivo que possa qualificar os despautérios que temos a infelicidade de ler, ou ouvir, através da imprensa escrita ou falada, que são protagonizados ultimamente pelos políticos, juristas, fazendeiros, alguns militares das forças armadas e anti-indígenas quando falam da questão em relação à reserva Raposa Serra do Sol, que concomitantemente atinge todas às reservas indígenas?

Continuam demonstrando, além da ignorância que lhes é peculiar, um comportamento etnocida, xenofóbico e egocentrista. Faz-nos pensar - atitude inexistente na vida deles - assim como acreditamos que também pensam os integrantes do Instituto Social Ambiental, o Conselho Indigenista Missionário, a COIAB, THYDÊWÁ, a Associação Brasileira de Antropologia, e muitos outros organismos que defendem os povos indígenas: será que ainda existe a possibilidade do homem tornar-se algo puro, sem males?

Insistem em nos ver como "índios", ou seja, nada parecido com algo humano, ainda continuam nos vendo como a igreja católica nos viu e declarou que não existia alma em nossos corpos, portanto "bichos", deixando subentendido que podiam eliminar a todos, que não estariam cometendo "pecado". Foi dito há séculos e ainda continuamos estigmatizados por uma corja de malfeitores assassinos, que servem unicamente para destruir a dignidade humana.

Falam de unificar o Brasil, falam de soberania nacional, falam de economia, de produção de alimentos. Perguntamos que unificação se pretende, se hostilizam os nordestinos, os negros e os pobres? Alguém nos responda, como se chama o comportamento expressado pelos paulistanos em relação aos nordestinos, ou dos gaúchos em relação aos paraenses, o tratamento desigual em relação aos indígenas. Mas, indígenas não são nem gente para a sociedade e até mesmo para os pobres brancos. No Brasil nunca existiu o apartheid ou é cultura brasileira?

E qual economia, e produção de alimentos estão falando, se este é o país da miséria, do assistencialismo, se o que se produz aqui é para abastecer os silos internacionais? O nacionalismo é o refúgio último dos desinformados. Para ser contra os indígenas, o Brasil é um só, tem de se uniformizar. Engraçado, não é esse o discurso que se escuta de São Paulo em relação ao Nordeste, ou do Rio Grande do Sul em relação ao Pará; de repente, tem que unificar a pátria das chuteiras - porque o nacionalismo brasileiro é a pátria das chuteiras, é o Brasil na Copa, é o futebol. Mas, peraí, futebol é inglês e carnaval é veneziano, logo, se futebol é da Inglaterra e carnaval é de Veneza, que diabos é cultura brasileira afinal?!

O Brasil é um país que não conseguiu encontrar a si mesmo, nega suas raízes sem ao menos conhecê-las, as pessoas insistem em permanecer com os olhos voltados para Europa. Comem farinha, feijão, milho, amendoim; bebem tacacá e usam perfume da Natura; as cidades chamam Camaçari, Coaraçi, Camacã e as pessoas têm nomes como Maíra, Iara, Jacira.

O que nos deixa estupefatos é perceber que boa parte dos jornalistas brasileiros são completamente analfabetos no que diz respeito à questão indígena no Brasil, não conhecem a legislação, não conhecem história, e muito menos a cultura que está presente no dia-a-dia deles.

Ainda somos obrigados a ler declarações como essa citada em página de um jornal bastante conhecido: "Índio vai virar guarda-mato sem salário se vencer no STF", diz o chefe dos arrozeiros, entre tantas outras tolices, como comparar a quantidade de indígenas em uma reserva pela quantidade de votos.

Diante do quadro que vivemos, só nos resta esperar que a guerra estabelecida contra nós indígenas desde o dia em que aqui chegaram invadindo nosso solo sagrado, tomando tudo que era nosso e nos matando, seja de fato declarada, pois assim acabam consumando o extermínio de uma única vez. Já que suas leis não são cumpridas, nossas vidas não são valorizadas, o que ainda estão aguardando?

Yakuy Tupinambá (Irmã do Mundo).

Defensiva ou ofensiva

Não são poucos os pensadores de esquerda embaraçados pelas experiências, aparentemente heterodoxas, dos países que se denominam socialistas, como China, Vietnã e Cuba. Dão-se conta de que o socialismo está em defensiva, mas não admitem que aquelas experiências estejam relacionadas com isso. Supõem que a defensiva socialista não é profunda, nem prolongada, e consideram traidora a atual estratégia daqueles países.

Partindo do pressuposto de que, hoje, as lutas sociais ganharam dimensão mundial, afirmam que elas não teriam se generalizado por faltar-lhes a vontade de construir uma convergência na diversidade, em escala mundial. Faltaria uma visão internacionalista e uma perspectiva socialista, assim como a decisão de passar, da resistência contra o neoliberalismo, a uma ofensiva contra o capitalismo. Se aqueles países fossem realmente socialistas, certamente poderiam demonstrar aquela vontade e tomar aquela decisão.

Não é por acaso, portanto, que, a cada oportunidade, tais pensadores conclamem que se passe da defensiva à ofensiva. Supõem que basta vontade e decisão. Esse tipo de voluntarismo é um velho companheiro de certos círculos de esquerda. Eles jamais aprenderam com a experiência das lutas sociais e das revoluções. Que, como se sabe, não dependem da vontade e da decisão de tal ou qual força política, mas do aprendizado que as grandes massas populares conquistam no dia a dia de suas relações com as classes dominantes.

As lutas sociais e as revoluções ocorrem, em geral, por negação, quando as massas populares já não agüentam viver como até então. A suposição de que hoje, em todo o mundo, elas já podem ter uma unidade ou convergência internacionalista apenas demonstra o desprezo daqueles pensadores pela enorme diversidade de condições nas diferentes regiões e países do globo, apesar de seus pontos em comum.

Se as lutas sociais, em cada região ou país, apresentam características locais ainda muito diversificadas, isso significa que o grau de negação ao seu modo de vida é ainda muito variado, apesar de o capitalismo estar presente em toda parte. Mas está presente de forma desigual. Assim, do mesmo modo que a desigualdade de desenvolvimento do capital levou, na primeira metade do século 20, tanto às revoluções burguesa e socialista na Rússia, quanto às revoluções anti-coloniais e democrático-populares em diversos outros países, na melhor das hipóteses também deve levar, no futuro, a revoluções diferenciadas.

Portanto, o que os pensadores socialistas precisam, hoje, é ter uma noção clara do significado de estar na defensiva estratégica, e das condições em que se pode passar dessa defensiva para a ofensiva. Sem isso, além de classificarem os outros de traidores, acabarão culpando as próprias massas populares por sua falta de vontade e decisão.

E de que lado você está mesmo?

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Charge do Dia!!!

A Charge do dia hoje vem lá do Jornal Hoje na Noticia de Santa Catarina sendo de autoria do Chargista Frank
Pois é... em tempos de debates sobre ficha suja dos candidatos ai vai a deixa!!!!

Deputados Acreanos aprovaram na Terça Feira Legislação a respeito de corte de Arvores

Deputados estaduais aprovaram na sessão de terça-feira, 26, o projeto de Lei que restringe o corte 24 espécies de árvores existentes na floresta amazônica. O Autor do projeto que visa preservar e manter a flora e fauna da Amazônia é o deputado Zé Carlos (PTN).

De acordo com o deputado autor do projeto é preciso fazer adequações a lei ambiental que existe no Estado, por isso, segundo ele, essa lei se faz necessária, com a regulamentação dela o deputado acredita que será possível preservar não só as espécies de árvores, mas também os animais que se alimentam dessas espécies.

“A Lei ambiental foi feita há alguns anos atrás, mas muita coisa mudou e por isso nós agora estamos fazendo alguns ajustes para que agora, a Lei seja para preservar não só a parte da floresta que dá sustento ao homem, mas também os animais silvestres. Antes nós nos preocupamos em preservar a castanheira, a seringueira que ajudam na sobrevivência do homem, mas temos que nos preocupar com a preservação dos animais silvestres, porque muitas espécies fazem parte da cadeia alimentar de animais silvestres”, explicou o deputado.

Zé Carlos diz que o projeto tem relevância para a preservação ambiental e afirma que no futuro os parlamentares terão orgulho de ter votado um projeto de defende a preservação das espécies de árvores. O parlamentar assegurou ainda que as árvores que fazem parte da lista de proibição de exploração, não devem prejudicar o comércio madeireiro, tendo em vista que a lista de espécies é composta por ‘madeiras brancas’, ou seja, aquelas árvores que têm baixo valor de mercado.

O deputado informou, por meio de sua assessoria, algumas espécies que estão proibidas de serem retiradas da floresta após a aprovação de seu projeto, contam na lista: Copaíba, Andiroba, Jutaí, Jatobá, Ingá Ferro, Envira Cajú, Castanharana, Toari, Miringiba, Ureinha, Cajuzin, Uchi, Piquí, Guariuba, Gameleira, Caxinguba, Gamelinha e Cuieira.

A influência de Lula nas eleições

Escrito por Altamiro Borges
A jornalista Cristiana Lôbo, uma das principais porta-vozes da TV Globo, nunca escondeu a sua antipatia pelo governo Lula, às vezes beirando o mais puro preconceito de classe. Durante a CPI do mensalão, em 2005/2006, ela torceu pelo impeachment do presidente. Nas deprimentes mesas redondas do Programa do Jô, ela sempre foi uma das mais ásperas nas críticas, com suas tiradas udenistas de paladina da ética. Numa entrevista à revista Época, da mesma Globo, até anteviu a derrota de Lula na sucessão de 2006. "Cada vez mais, ele tem menos chances (de se reeleger). O cenário, definitivamente, não é mais favorável ao presidente Lula", previu a desastrada vidente.

Agora, porém, a comentarista, mesmo mantendo o seu viés oposicionista, está convencida de que Lula será o grande vitorioso das eleições municipais de outubro. Na abertura do horário político gratuito, em 19 de agosto, ela se mostrou surpresa com o prestígio do atual presidente. "Todos os candidatos, até alguns da oposição, querem tirar fotos com ele", afirmou Lôbo no Jornal das Dez, da Globo News. Para ela, isto é um fato inédito nas últimas campanhas eleitorais. Afinal, "Lula já caminha para o final do segundo mandato e mantém sua força". Ela só não lembrou, por motivos óbvios, o triste fim de FHC, no qual ninguém queria a sua companhia nos palanques ou nas fotos.

Pegando carona no prestígio
A influência de Lula neste pleito parece inquestionável. "Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, há 179 candidatos de nome Lula nas eleições de 2008. Somente em Recife, são seis, o maior número de Lulas em uma só cidade", informa a revista Carta Capital, que entrevistou alguns dos postulantes à vereança que almejam pegar carona neste prestígio. Até tucanos e demos famosos pela postura hidrófoba contra o governo evitam atacá-lo nesta campanha. O prefeito Beto Richa, candidato do PSDB à reeleição em Curitiba, estreou o programa eleitoral na TV e rádio de forma bastante curiosa: "Quero fazer agradecimentos. Primeiro ao governo do presidente Lula".

Tamanho prestígio decorre, entre outros fatores, da tímida recuperação da economia, após duas "décadas perdidas", com o seu efeito mais visível dos recordes mensais de empregos formais; da ampliação dos programas sociais, que hoje atingem mais de 11 milhões de famílias, retirando-as da total exclusão; e do próprio carisma do presidente. O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), com as suas obras de infra-estrutura e benfeitorias sociais, é outro forte cabo-eleitoral. Já a valorização do salário mínimo e a ausência de ataques frontais aos direitos dos trabalhadores, diferentemente do ocorrido no primeiro mandato, evitam a rejeição dos setores mais organizados.

A sedução da classe média
Neste cenário aparentemente mais tranqüilo, a popularidade de Lula dispara em todo o país, em especial nas regiões antes mais apartadas do Norte e Nordeste, onde os índices de aprovação do presidente passam de 70%. O fenômeno do lulismo, entretanto, hoje já ultrapassa essas fronteiras. Como apontou recente reportagem da Carta Capital, com o maior dinamismo da economia, Lula passa a seduzir até as camadas médias do Sul e Sudeste, antes tão avessas ao presidente-operário. A queda da taxa de pobreza (de 35% em 2003 para 24,1% em 2008) e da taxa de indigência (de 13,7% para 6,6%) ajuda a aquecer o mercado interno, beneficiando a classe média elitista.

Estes fatores é que explicam porque "todos os candidatos querem sair na foto com Lula". Lôbo insiste em não enxergar, ou em esconder, a realidade. Mas, como diz o jornalista Alon Feuerwerker, ele justifica tamanho prestígio. "Seis anos depois (da sua primeira eleição), Lula continua dono absoluto da agenda social, sem ter perdido o voto de confiança quanto à estabilidade. E, mesmo que o crescimento médio da economia não seja nenhuma Brastemp, os números da criação formal de empregos batem de longe as estatísticas dos oito anos do consórcio PSDB-DEM".

Para ele, tudo indica que Lula sairá fortalecido das eleições municipais e que "já tem o discurso pronto para 2010. Ele dirá que é preciso continuar com a distribuição de renda, com o combate à pobreza, com a criação de empregos. Lembrará também que o governo do PT não descuidou da inflação, esse algoz dos socialmente menos favorecidos. E deixará que as velas da campanha sejam enfunadas pelos ventos estatistas e nacionalistas que sopram cada vez mais fortemente em todo o planeta. A figura de Dilma Rousseff é adequada ao roteiro. E a oposição, dirá o quê?".

O eleitor não é bobo
É neste cenário mais favorável que muitos candidatos a prefeito e a vereador, até dos partidos da oposição liberal-conservadora, tentam pegar carona no prestígio do presidente. Alguns aliados, inclusive do PT, que abandonaram Lula nos momentos da sua maior crise política, agora viraram lulistas de carteirinha. Não perdem uma solenidade de inauguração das obras do PAC e utilizam fotos antigas para justificar suas "sólidas relações". Mas o eleitor não é bobo. Como argumenta Jairo Nicolau, um dos maiores especialistas em tendência do eleitorado no país, o uso da imagem do presidente não se transfere automaticamente para os que hoje afirmam apoiar o presidente.

Outros fatores pesarão na definição do candidato, como sua trajetória política e os projetos para a cidade. "A movimentação dos candidatos em direção ao presidente é natural. Como ele tem alta popularidade, eles vão querer se associar. Mas ele é mais um ator na eleição, não o que define. A agenda local terá mais importância", sustenta o professor do Iuperj. Ele lembra os casos de Belo Horizonte e do Rio de Janeiro, onde os candidatos petistas estão em baixa. "Se o candidato não mostrar competência, o apoio será insuficiente. Ele pode tentar convencer que é a continuidade, mas pode vir outra candidata, como a Jô Moraes, e mostrar que ela tem relação com Lula".

Altamiro Borges é jornalista, membro do Comitê Central do PC do B e autor do livro recém-lançado "Sindicalismo, resistência e alternativas" (Editora Anita Garibaldi).

Algo que pode afetar Xapuri!!!

Nova Lei do Congresso pode garantir mais quatro municípios para o Acre
Da redação ac24horas
Os locais são: Vilas do V , do Incra e Campinas e Sibéria, em Xapuri

No Congresso Nacional tramita um projeto que muda as regras para a criação de municípios no Brasil. Por enquanto a matéria ainda está na Comissão de Constituição e Justiça, só depois de aprovada vai a votação. Um dos textos da proposta pede que áreas com mais de 5 mil habitantes, na região Norte, passem a ser cidades.

No Acre, as vilas do Incra e do V em Porto Acre já estariam na lista. Alias, ás duas vilas têm mais moradores que Porto Acre, sede do município.

As vilas cresceram tanto que hoje ninguém sabe onde fica a divisa. Parecem cidade pequena, tem comércio movimentado, transporte, escolas e postos de saúde, mas dependem administrativamente da prefeitura de Porto Acre, na qual, a sede fica distante 40 quilômetros.

Os moradores reclamam que o prefeito não olha para os moradores e não se preocupa com a infra-estrutura básica. Só no núcleo urbano moram, de acordo com o IBGE, 4 mil famílias. A conta pode multiplicar somando os produtores rurais da região onde fica um projeto de assentamento. A população já pediu várias vezes para que as vilas fossem transformadas em município.

Só que existem outras localidades pedindo o desligamento com a cidade base. A vila da Sibéria em Xapuri é uma delas. Separados pelo rio Xapuri, os moradores querem uma administração própria. Na parte urbana moram 900 pessoas, mas existe a parte rural que se estende por boa parte da reserva extrativista Chico Mendes.

Outro local forte candidato a virar município é vila Campinas na BR-364. Foram vários os movimentos para que a localidade fosse separada de Plácido de Castro que fica distante 80 quilômetros.

O diretor do IBGE no Acre, Adão Delfino, informou que as Vilas Campinas, do V e Incra já foram analisadas pelo Instituto e todas têm condições de se transformarem em mais uma cidade.

Só um detalhe não pode ser esquecido: é preciso evitar os políticos espertalhões que lutam pela criação de novos municípios. Em todas as cidades vão ter vereadores, prefeitos e secretários. Tem muita gente que está só de olho nisso.

Eita!!!!

Governo do Acre revitaliza local onde morreu Plácido de Castro

Por Agência de Noticias do Acre
Estátuas feitas por Cristina Motta contam um dos momentos mais dramáticos da história do Acre. O investimento integra uma ação de Governo que mistura história, cultura e turismo

O governador Binho Marques conferiu os detalhes da instalação das esculturas que compõem as primeiras intervenções de paisagismo da área destinada ao Parque Municipal Plácido de Castro. A região tem a lápide que sinaliza o local da emboscada que vitimou um dos mais expressivos representantes da Revolução Acreana há cem anos.

A montagem da cena foi coordenada pela artista plástica Cristina Motta, responsável pela confecção das obras. Ao todo, são 8 esculturas em tamanho natural feitas de fibra de vidro, durante dois meses de trabalho. A cena é composta pelo assassino de Plácido e mais três comparsas que esperam a passagem do revolucionário, acompanhado por um amigo. O trabalho de Cristina Motta já é conhecido pelos acreanos. São dela as estátuas de Chico Mendes, acompanhado por um garoto, expostas na "Praça dos Povos da Floresta", no centro de Rio Branco; as três grandes estátuas que estão no Novo Mercado Velho, na altura da Passarela Joaquim Falcão Macêdo.

A meta do Governo do Acre é fazer um resgate histórico-cultural da região integrada à agenda turística da rota "Caminhos da Revolução" (composta por museus da cidade de Rio Branco, chalé do seringal Bom Destino, cidade de Porto Acre, Quixadá_cenário de locação da minisérie "Amazônia_ de Galvez a Chico Mendes", exibida pela Rede Globo ano passado).

"Com a idéia de promover o resgate da nossa memória, nós vamos potencializar ainda mais o turismo porque as pessoas visitam muito o local", afirmou Daniel Zen, presidente da Fundação Elias Mansour, um dos órgãos responsáveis pela revitalização. O Deracre também participa do emprendimento. A recuperação do ramal do Pica-pau recupera ramal do Pica-pau (também conhecido como "ramal da lápide de Plácido de Castro", construção de bueiros e terraplanagem estão sob responsabilidade do Departamento de Estradas e Rodagens. // Uma ponte sob o igarapé "Distração" foi reconstruída para que os visitantes tenham mais conforto e segurança ao visitar o local histórico.

No próximo sábado, dia 30, vai haver um evento que marca a revitalização do espaço. Está prevista apresentação de trechos da ópera "Aquiry_ A Luta de um povo" (de autoria de Mário Brasil), com regência de Romualdo Medeiros e Mário Brasil. A reedição do texto, de autoria do próprio Plácido de Castro. A presença de uma guarda fúnebre do 4 BIS também já está confirmada. A guarda fúnebre vai fazer uma recepção de honra aos visitantes. Está prevista uma salva de tiros de festim na hora em que as estátuas forem descerradas. O evento acontece a partir das 4 e 30 da tarde. "Navegação do rio Acre"

Em 2002, durante as comemorações do Centenário da Revolução Acreana, o Governo do Acre já revitalizou o cemitério onde foi enterrado Plácido de Castro há cem anos.
Estátuas do Novo Mercado Velho feitas pela artista plástica Christina Motta contam um pouco do cotidiano da vida na cidade de Rio Branco.

Estátua de Chico Mendes acompanhado por um menino: obra exposta na Praça dos Povos da Floresta. Trabalho de Christina Motta demonstra harmonia com a história do Acre.

Trabalhador executa instalação de estátua, feita em fibra de vidro. Obra está exposta onde será implantado o Parque Municipal Plácido de Castro. Revitalização une história, cultura e turismo.

Até Nota de R$ 3.00 aí já é demais!!!!

Polícia prende quadrilha com nota de R$ 3 no RS
Além do dinheiro, polícia apreendeu 360 pedras de crack, aparelhos eletrônicos e um rádio comunicador. A Polícia Militar prendeu três homens em flagrante por tráfico de drogas e porte ilegal de armas em Caxias do Sul, na serra gaúcha, na noite desta quarta-feira (27). Os suspeitos estavam em uma casa no bairro Vila Ipê. Os policiais apreenderam com eles uma nota de R$ 3.

Também foram apreendidos dois revólveres, munição e R$ 600 em dinheiro. Apenas a nota de R$ 3 era falsa.

Além do dinheiro, a polícia apreendeu 360 pedras de crack, aparelhos eletrônicos e um rádio comunicador que estava na freqüência da polícia.

A Droga é normal, prender bandido também, agora cédula de R$ 3,00 aí é demais!!!

Mundoooo.... Cãooooooo........

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

PF apreende homem transportando 3,5 kg de drogas na mochila

Os policiais federais em Epitaciolândia/AC prenderam em flagrante, na madrugada de 25 de agosto, E.N.S. transportando 3,5 kg de entorpecente em uma mochila.

ELIEL NUNES DOS SANTOS, foi preso em flagrante na BR-317, próximo ao trevo do município de Xapuri/Ac, em uma barreira policial, quando viajava para Rio Branco em um táxi, transportando em sua mochila, aproximadamente 3,5 Kg de cocaína.

O homem disse à polícia que comprou a droga na Bolívia e iria vendê-la em Rio Branco. Com ele também foi encontrada uma cédula de identidade boliviana, constatada como verdadeira, porém ideologicamente falsa, uma vez que E.N.S. usava-a para não ser reconhecido, pois estava sendo procurado pela Justiça Brasileira por roubo.
Eliel foi encaminhado ao presídio Dr. Francisco de Oliveira Conde.

Por: Assessoria de Comunicação / Superintendência Regional da PF no Acre

Extraterrestres?

WOW... WOW...WOW... WOW...WOW... WOW...
Como sempre tenho que pesquisar algumas pérolas das publicações de física e calculos matemáticos, devido receber publicação mensal da Revista do Matemático, achei interessante uma publicação na coluna curiosidades, onde rela o trigésimo aniversário ocorrido no dia 15 de agosto do evento (sério) mais próximo que tivemos de contato extraterrestre. Este evento ficou conhecido como “sinal uau”, do inglês wow signal. Apesar de nunca ter sido dada nenhuma explicação razoável para o fenômeno, infelizmente não podemos dizer que realmente tivemos um contato extraterrestre. Ou para os mais céticos puro besteirol, mas vamos aos fatos históricos da publicação que achei interessante.

Em agosto de 1977, o Dr. Jerry Ehman estava em um projeto de busca de sinais de origem extraterrestre, que depois acabou evoluindo para o projeto Seti (procura por inteligência extraterrestre, na sigla em inglês). Ehman estava usando o radiotelescópio da Universidade de Ohio, nos EUA, conhecido como Orelhão (Big Ear, em inglês). Esse radiotelescópio era fixo no chão, de modo que não havia apontamento. Uma parede refletia o sinal do céu em uma superfície parabólica que focava o sinal em dois detectores, chamadas de “cornetas” no jargão. Como todo o aparato era fixo, as cornetas apenas recebiam o sinal daquilo que passava no céu naquele instante, e aí um computador registrava tudo. Como o volume de informações era gigantesco, todo sinal detectado pela antena era codificado em uma seqüência alfanumérica de 6 caracteres, que resumia as suas principais características. A idéia era detectar algo suspeito e depois partir para observações mais precisas em outros telescópios.

No dia 19 de agosto de 1977, o Dr. Ehman estava checando as saídas impressas do computador para ver o que tinha acontecido nos dias anteriores. O volume de dados era gigantesco, de modo que não dava para fazer tudo simultaneamente. Olhando uma das folhas impressas ele notou o seguinte código: “6EQUJ5″ no canal 2 do telescópio. Isso significava que um forte sinal em rádio, com uma banda em freqüência bem estreita vinda de uma região bem pequena do céu, havia sido detectado. Impressionado com isso, Ehman circulou o código e escreveu UAU! (Wow! no original) em vermelho. Ele continuou a análise dos dados dos outros dias, especialmente procurando por uma repetição do sinal, já que a mesma região do céu era observada a cada dia. Mesmo não tendo encontrado uma repetição do sinal, Ehman comunicou a descoberta aos seus colegas John Kraus e Bob Dixon, que passaram a chamá-lo de “sinal Uau!”. (Veja abaixo a anotação original do pesquisador.)
O sinal foi detectado às 23:16 da noite de 15 de agosto na freqüência de 1420.4556 MHz, o que corresponde à famosa linha de 21 cm do hidrogênio, vindo da direção da constelação de Sagitário.

Esse sinal passa por todos os testes para classificá-lo como vindo de uma civilização extraterrestre tentando contato com alguém. Ele era intenso, vinha de uma fonte de pequenas dimensões do céu, tinha uma banda bem estreita e estava na freqüência da linha de 21 cm do hidrogênio, que é a linha sugerida para se procurar por sinais assim.

O hidrogênio é o elemento mais abundante do Universo; se alguém deseja estudar o material mais abundante do Universo, vai ficar observando essa linha. Então, se você quiser que alguém detecte um sinal seu, é melhor escolher uma freqüência em que você sabe que vai ter alguém escutando. A escolha mais natural é a linha de 21 cm do hidrogênio.

Mais aí eu pergunto por que ninguém admite que temos um sinal de vida inteligente fora da Terra desde 1977? Por que esse sinal falha em um único ponto, justamente o mais crítico: ele não se repetiu. Ehman, Kraus e Dixon procuraram uma repetição do sinal por meses a fio usando o mesmo Orelhão e nada.

Anos mais tarde, os radioastrônomos Robert Gray e Kevin Marvel decidiram procurar esse sinal. Eles nunca ficaram convencidos que se tratava de um sinal espúrio, provocado por ruído. De fato, o próprio método de observar deixa poucas dúvidas da origem celeste do sinal. Como o Orelhão ficava parado e as fontes é que corriam por sobre suas cornetas, um sinal celeste (não necessariamente de vida inteligente) tem um padrão de intensidade quando detectado. Ele deve crescer do zero até atingir um máximo e depois cair a zero novamente, seguindo um perfil bem específico. Isso aconteceu com o sinal Uau e durou exatamente 72 segundos, o tempo em que a fonte no céu leva para percorrer o campo de detecção de uma das cornetas (chamado de feixe). Esse fato descarta um sinal de interferência vindo da Terra, ou mesmo de algum satélite em órbita baixa.

Em 1995 e 1996 Gray e Marvel usaram o radiotelescópio VLA, um conjunto de 27 antenas com 25 metros de diâmetro cada, o que dá uma sensibilidade 100 vezes melhor que a do Orelhão. Eles varreram uma área no céu correspondente às coordenadas do sinal original, inclusive com uma grande margem de erro.

Observando em uma banda mais larga que em 1977, foram encontradas duas fontes de rádio com características normais para uma fonte extragaláctica, mas principalmente nada de variações de brilho. Partiram então para uma procura por fontes em banda estreita, tal como foi a detecção original, e nesse caso foi ainda pior: nada de fontes. Conclusão, nenhuma fonte com emissão com duração entre 5 e 20 minutos foi encontrada.

Então não há nada que comprove esse sinal, certo? E se a fonte emitisse periodicamente em um ciclo de várias horas, como se fosse um farol de navegação?

Bom, lá foi Robert Gray para o radiotelescópio da Universidade da Tasmânia investigar essa possibilidade. Entre março e outubro de 1997, ele e Simon Ellingsen examinaram a direção do sinal Uau por 10 noites, sempre em sessões de no mínimo 14 horas contínuas.

Os resultados foram decepcionantes de novo, nada foi detectado. Na pior das hipóteses, durante uma única sessão de 14h, haveria 30% de probabilidade de se detectar um sinal de 48h de período, ou seja, se o sinal levasse dois dias inteiros para se repetir. Com três dessas sessões, a probabilidade salta para 80%. Sinais com períodos menores teriam ainda mais chances de ser detectados. Para um sinal periódico não ser detectado por essa metodologia, ele teria de ter um período de vários dias. É possível?

Sim, mas nesse caso é de se pensar na imensa sorte de alguém ter detectado um sinal que se repete somente depois de mais de três meses, já que durante esse tempo a região foi monitorada dia após dia.

Então, o que teria causado esse sinal? Uns 20 anos depois, o próprio Ehman listou as possibilidades. Dentre elas, planetas e asteróides podem ser excluídos, bastando olhar suas posições. Uma transmissão de satélite também é improvável, pois a freqüência de 1420 MHz é protegida. Existe um acordo mundial para que essa freqüência nunca seja usada por ninguém, pois ela é muito importante para a astronomia. Mas e se alguém ali por perto do radiotelescópio resolvesse mandar uma mensagem ao espaço justo naquela hora? Também parece improvável, pois o sinal teria de ser apontado direto para que o Orelhão o detectasse. Além do mais, o sinal se comportou exatamente como o esperado para uma fonte astronômica, o que também exclui um sinal de rádio vindo de um avião.

E se esse sinal tivesse sido transmitido da Terra e tivesse sofrido uma reflexão no lixo espacial em órbita da Terra? Nesse caso, teria de ser um pedaço de metal. Até aí tudo bem, mas ele teria de estar em uma órbita muito alta, e pior, não poderia ter rotação alguma. Essas duas características, especialmente a última, são bem improváveis de acontecer com um pedaço de lixo espacial. Um efeito produzido por lente gravitacional duraria mais tempo, e a cintilação interestelar (um tipo de cintilação parecido com aquela que vemos no céu) só corrobora a idéia de que o sinal tem origem no espaço distante.

Depois de listar todas essas possibilidades Ehman admite que ele só consegue imaginar um sinal emitido por alguma civilização inteligente. Mas por que não admitir isso? Nas palavras dele (traduzidas por mim): “Porque eu sou um cientista, e como tal eu sei que essa hipótese só seria aceitável se eu e outros colegas também detectássemos esse sinal mais vezes”.

Em um dos seus últimos livros, Carl Sagan também fala desse sinal, e ele admite que nunca houve um evento que se aproximasse tanto de um sinal de vida inteligente extraterrena. Mas ele também diz que, de acordo com o método científico, não poderia admitir isso até que o sinal se repetisse e mais pessoas pudessem detectá-lo. Depois de conjeturar e eliminar as possibilidades acima, Sagan sugere que tenha sido algum satélite espião que tenha usado a freqüência protegida do hidrogênio para transmitir alguma informação. Usando essa freqüência, o sinal poderia ser confundido com emissão
do hidrogênio. Essa violação do acordo é bem possível, afinal de contas os procedimentos de espionagem não são divulgados por aí, nem mesmo os detalhes das órbitas dos satélites espiões são conhecidos.

E eu, o que acho? Fico com as palavras de Ehman: poucos dados para muita especulação. Somente com um evento detectado não dá para tirar conclusões tão profundas. Também acho que a explicação do Sagan não é tão fantasiosa assim. Não dá para garantir que os militares americanos seguiriam um protocolo de intenções proposto por astrônomos, ainda mais na década de 1970.

Da calma

Paulo Coelho
Não acreditem que os fins justificam os meios. Porque não existem fins; existem apenas os meios.

A vida nos leva do desconhecido para o desconhecido. Cada minuto está revestido deste apaixonante mistério: não saber de onde viemos ou para onde vamos.

Acima de nós, o Espírito Santo flutua, com as respostas de nossas perguntas e as soluções de nossos problemas; e nos atira estas respostas e soluções à medida que caminhamos. Faz isto sempre no momento apropriado.

Se pensamos apenas na meta, nos afastamos dos sinais do Espírito. Então, o lado das trevas começa a impor suas regras traiçoeiras.

“Eu sei o que eu quero”, diz o discípulo.

“Mas cuidado no que você vai se tornar, por causa disso”, responde o mestre.

Vale Tudo pela Saude dos Bebês Peruanos

Bebês competem por título de melhor 'mamador' do Peru
Competição faz parte de semana da amamentação, coordenada pelo ministério da saúde.
Menina de 5 meses ganhou competição no interior após beber leite por 6 minutos.

O governo do Peru encontrou uma forma curiosa para estimular a amamentação dos recém-nascidos: durante esta semana, diversas cidades do país sul-americano realizam concursos para eleger o bebê capaz de mamar por mais tempo.

As competições para eleger os mais "mamadores" fazem parte da semana da amamentação, organizada pelo Ministério da Saúde do Peru.

Em algumas cidades, as mães estimulam seus bebês, já que o "rei da mamada" costuma ganhar prêmios como enxovais e pacotes de fralda descartável.

Para vencer, é preciso ter um bom apetite. Em Cerro de Pasco, por exemplo, a campeã foi a pequena Yasmín Valle Cosme, de 5 meses, que mamou por cerca de seis minutos.

STF começa a decidir futuro da Raposa Serra do Sol nesta quarta-feira

Ministros irão analisar ação que contesta demarcação contínua da reserva.
Julgamento pode se estender até quinta-feira, prevê o relator Ayres Britto.

Diego Abreu
Do G1, em Brasília

O julgamento que definirá o futuro da reserva indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, começa às 9h desta quarta-feira (27). Em jogo está a manutenção ou não da demarcação contínua da reserva, homologada pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em 2005.

A ação que vai ser analisada pelos ministros do Supremo foi impetrada pelos senadores de Roraima Augusto Botelho (PT) e Mozarildo Cavalcanti (PTB). Eles pedem a anulação da portaria que definiu os limites da reserva.

À frente da bancada de Roraima no Congresso Nacional e em defesa dos arrozeiros, o deputado Francisco Rodrigues (DEM) pede que as áreas produtivas, os municípios e as vias de acesso que se encontram dentro da área demarcada sejam excluídos da reserva indígena.

Já o Conselho Indigenista de Roraima (CIR) lidera o movimento pela demarcação da Raposa Serra do Sol em área contínua e sem a presença de não-índios. Ou seja, é a favor da demarcação feita em 1998, durante o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), e homologada por Lula em 2005.


Julgamento longo
De acordo com a previsão do próprio ministro relator da ação, Carlos Ayres Britto, o julgamento deve se estender até quinta-feira (28). Pelo cronograma do Supremo, o primeiro passo da sessão será a apresentação do relatório de Ayres Britto. Nessa parte, ele ainda não apresentará o seu voto, apenas o relatório.

Depois disso, as partes que ingressaram com a ação e as contrárias à ação também deverão se manifestar. Embora não haja um número definido de pessoas que farão exposições orais, é possível que haja até seis sustentações sobre o tema, sendo que cada uma pode durar até 15 minutos.

O advogado-geral da União, José Antônio Dias Toffoli, e o procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza, também se pronunciarão antes de o ministro Ayres Britto proferir seu voto.

É possível, como o próprio relator confirmou em entrevista na segunda-feira (25), que seu voto seja lido só na quinta. Segundo Britto, o voto tem 108 páginas.

Somente depois do voto do relator, a decisão sobre o futuro da reserva começará a ser tomada, com a apresentação dos votos dos outros dez ministros – o STF possui 11 ministros. Embora improvável, existe ainda a possibilidade de algum magistrado pedir vista do voto do relator. Caso isso ocorra, o julgamento pode ser adiado.

Parâmetro
Qualquer que seja a decisão do Supremo sobre o tema ela servirá como parâmetro para futuras discussões sobre demarcações de terras indígenas. Essa é a opinião de três dos ministros do STF – Ayres Britto, Marco Aurélio Mello e Gilmar Mendes – e também do ministro da Justiça, Tarso Genro.

Na Praça dos Três Poderes, em Brasília, já havia índios na tarde de terça-feira(26). A expectativa é que pelo menos 150 índios acompanhem o julgamento nesta quarta, em frente à sede do STF. É esperada também a presença de arrozeiros nas proximidades do Supremo.

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Em Tempos de Politica e de Olimpíadas

A Charge do dia, refere-se à colocação do nosso Presidente Lula em Terceiro lugar de na America Latina em aceitação popular, publicada hoje pelo Chargista Benett, no jornal Aa Gazeta do Povo do Estado do Paraná(PR)

E dá-lhe BRONZILLLLLLLLLL!!!!!

Estou de Volta

Caros Amigos Leitores,
Passei quase duas semanas sem publicar neste espaço. Isso ocorrera devido dois pequenos empecilhos que tive: Primeiramente devido a excelente qualidade da energia elétrica fornecida em Xapuri, com uma oscilação incrível da força que chega até nossos lares meu PC queimou a sua fonte e aí lascou tudo... incrivelmente não gosto de utilizar computadores de terceiros para publicar nesse espaço, então tive que aguardar. Outra questão é que depois de 03 anos afastados do exercício do Magistério retornei à minha velha e querida função de professor, coisa que amo e que imagino que contribuo muitíssimo para a sociedade Brasileira que tando padece de novos profissionais ou que os que podem colaborar estejam realmente nas suas devidas funções.

Para partilhar esse momento de novas transições gostaria de dividir com voces um texto que muito representa para a classe do Magistério, claro com as devidas alterações.

Eu confesso
Confesso que sou professor. Professor que gosta de ensinar mais do que explicar. Sugerir mais do que proibir. Elogiar a leitura mais do que a obrigatória tortura. Professor no falar e no agir, no sorrir e no pensar, no calar e no sentir.

Confesso que sou leitor compulsivo, fanático, inveterado. Confesso que gasto dinheiro demais com os livros. Que sinto prazer em entrar num sebo, numa livraria, numa biblioteca. Que os livros são o meu tormento e o meu céu.

Confesso e não nego que sou escritor. Escritor escravo do escrever. Escritor que passa o dia escrevendo mentalmente o que há de escrever no papel ou na tela. Escritor que elogia a leitura, o leitor criativo, a arte da palavra.

Confesso que sou católico. Católico por um triz. Que dorme ao ouvir sermões cansativos. Católico apostólico romântico. Católico sem eira nem beira, sem carteirinha, sem ligação oficial com movimentos e outros elementos.

Confesso que gosto de falar. Na palestra, no debate, na mesa-redonda, no palco, na padaria, no barbeiro. E gosto de calar-me, recluir-me, fugir, enterrar-me vivo no meio dos livros.

Confesso que não gosto de me confessar, de revelar quem sou, o que faço, o que penso, em que acredito. Confesso que gosto de me expor, contar o segredo, confidenciar, abrir o coração.

Confesso que não gosto de futebol na terra do futebol. Que não gosto de carnaval na terra do carnaval. Que não gosto de praia na terra das muitas praias. Confesso e peço perdão.

Confesso que gosto do Brasil, com todas as suas... As nossas contradições e limitações, sua carga tributária e suas festas, seus políticos e seus apresentadores de TV, seu calor e seu frio, sua seca e sua enchente, suas belezas e misérias.

Confesso e não nego que muito pouco do Brasil conheço, mas guardo com carinho um caminhar nas calçadas de Manaus, um passeio pela Feira do Paraguay em Brasília, rápidos passeios de carro nas ruas de Joinville, rio de Janeiro, São Paulo, Goiana, Belém...

Confesso. Não nego. Confesso dizer a verdade. E um pouco mais do que isso.

Estou de volta, e feliz com o reencontro!!!

Até que enfim Acabou - OlimpíadasxHipocrisia

Aleluiaaaa...Aleluiaaaa... Até que enfim acabou os propagados jogos olímpicos que de bom não trouxe quase nada, a não ser uma furrebas medalhas de material vagabundo e muita mídia par as TV. Mas uma coisa é interessante nessas Edições dos Jogos modernos é que como a história já registrou em outras ocasiões, as atenções também se voltam para o que ocorre fora das quadras, pistas e piscinas de Pequim. Não foi uma Olimpíada como qualquer outra, pois questões políticas, de liberdade, direitos humanos, ambientais, estavam tão em evidência quanto os atletas.

Portanto, que não se critique as pessoas capazes de ver o mundo além de resultados, medalhas e marcas, típicos dessa época do biênio (em 2010 o mesmo poderá se dar na Copa do Mundo a ser realizada na África do Sul). Se existe a grita por parte de diversos setores da sociedade mundial, algo não anda tão bem pelos lados dessa milenar civilização.

Apesar do tão papagaiado crescimento econômico constante (o que não vem necessariamente acompanhado de justiça social e respeito à população nas mais diversas áreas), a China está muito longe de um alinhamento com o que se chamava antigamente de espírito olímpico.

Ávida em se afirmar como superpotência do novo século, a China não poupou esforços (nem dinheiro) para promover "os maiores Jogos Olímpicos da história", termo que, aliás, tem sido cada vez mais banalizado por promotores, marqueteiros e interessados em valorizar suas próprias causas. Foram gastos 20 bilhões de dólares para que se estruturasse em Pequim o evento. Pelo menos nesse aspecto, portanto, o objetivo foi atingido.

Os gastos para cada obra impressionam quando se verifica a fundo. No entanto, devemos ressalvar que ao menos não se trata de dinheiro que evapora dos cofres públicos e não produz resultado efetivo. Nesse caso não. Os chineses Fecharam o quadro de medalhas em primeiro lugar, batendo os EUA, e suas instalações de fato serão herdadas pela população local para a prática e desenvolvimento esportivos. Diferente do nosso famigerado Pan do Rio, por exemplo.

No entanto, não se pode fechar os olhos para a cortina de hipocrisia que tenta isolar os Jogos. Fatos para se indignar não faltam, desde questões delicadas até banalidades que poderiam passar despercebidas em meio ao turbilhão de notícias que nos são enviadas do lado de lá do globo.

A remoção de moradores humildes da região em que foi erguida a Vila Olímpica para os atletas e o seu envio a um local mais afastado da cidade não merece ficar sem registro histórico. A presença de "líderes" mundiais como Bush, Sarkozy, Berlusconi e Putin, tendo discursado alguns deles – como Bush –, é, além de tudo, contraditória, pois cansamos de escutar que se deve retirar o teor político da festa.

Ficassem esses pequenos "desvios de espírito olímpico" restritos ao campo do poder e da política, não poderíamos nos dizer surpreendidos, contudo, pois estão longe de serem inéditos. Porém, é de assustar a obsessão que se teve em transmitir a imagem de perfeição e beleza nunca antes vista aos jogos pequineses. As medidas desesperadas para amainar o trânsito local, o embelezamento estético da cidade promovido meses antes do evento e o ‘acobertamento’ de obras inacabadas ou ditas feias foram altamente ostensivos na preparação dos jogos.

E chega a ser constrangedor quando se descobre, conforme admitido pela própria organização dos Jogos, que os fogos que iluminaram a festa de abertura foram projetados em computador, ou seja, não existiram para quem não via pela TV.

Outra revelação ainda mais inacreditável, mas que muito explica os valores culturais vigentes: a garotinha que cantou a música-tema na abertura na verdade foi dublada por uma outra, que teve sua presença no palco vetada pelos organizadores por supostamente não ser tão bonita. Era só o que faltava! Agora a ditadura do padrão estético, que já perturba e estraga milhões de adolescências, agora começa a atormentar crianças de 9 anos, que dessa forma já devem se preocupar em possuir uma imagem aceitável perante os outros quando deviam pensar em coisas mais correlatas à vida de alguém de tão pouca idade. E o porta-voz chinês ainda afirmou não ver problemas nisso, pois todos estavam de acordo. Fico imaginando como será no futuro para a menininha da voz bonita lembrar os motivos que a impediram de participar de um momento histórico.

Creio que ao menos desde Munique-72 (com os assassinatos praticados pelo Setembro Negro contra a delegação israelense), passando pelos boicotes recíprocos entre americanos e soviéticos nos anos 80, todos já perderam a inocência de acreditar que os princípios do Barão Pierre Coubertin estejam preservados. Nem entre os atletas, com tanto doping por aí e a paranóia cada vez maior (e justificada) a seu respeito. As Olimpíadas de 1996, por sua vez, serviram para avisar de vez que, assim como em todas as demais áreas do mundo, o poder econômico falaria mais alto, pois foi no mínimo um descaso com a história do esporte não ter se realizado em Atenas aquela edição dos jogos, que chegavam ao seu centenário.

É claro que algumas vezes foi emocionante ver a consagração de atletas que esperam a vida toda por aquele momento, os (escassos) festejos brasileiros, as dores de quem perde e todo o clima de festa memorável que se vive em uma Olimpíada. Caso contrário, não passaríamos madrugadas em claro torcendo por esportes dos quais nem conhecemos as regras, apenas palpitando e sofrendo por compatriotas que, contra tudo e contra todos diga-se, tentam representar da melhor forma possível nossa bandeira. Porém, é impossível tapar os olhos para o fato de que os jogos olímpicos também viraram instrumento de maquinação e afirmação política.

Agora é esperar e sofrer na Copa...

Dois discursos

Face à realidade econômica e social que vivemos, existem somente dois discursos qualitativamente diferentes. O primeiro é o discurso da galerinha que não passa pelas agruras sociais e financeiras que passamos, que consiste em dizer ser o capitalismo bom, desde que gerenciado com competência, honestidade e determinação. Esse é o discurso predominante, está em todos os recantos e vai do campo aos campi. Também está na boca dos maiores partidos de "esquerda" como é o caso do PT, PSB, PC do B e PDT.

Em razão disso, a direita (não se existe), ou seja, a política que não extrapola os marcos do capitalismo, é francamente hegemônica, gerando daí a afirmação de que acabou a divisão política entre esquerda e direita, pois tudo é direita, cujas frações se coligam sem nenhum pejo em torno das mais diversas candidaturas.

O segundo discurso, minoritaríssimo, parte do princípio de que as mazelas sociais, tão agravadas a cada dia que passa, têm uma única causa que se chama capitalismo. O capitalismo foi revolucionário, mas o seu caráter progressista esgotou-se com o advento do imperialismo. Movido pelo propósito único de gerar lucros para a burguesia, o capitalismo tornou-se um sôfrego destruidor de vidas.

Assim sendo, a única política que serve aos interesses da humanidade respalda-se no discurso da superação do capitalismo, que deve ser feito de forma clara e ostensiva.

Quem leva, porém, a cabo esse discurso anti-capitalista? Quem proclama vivermos um dilema: ou a humanidade destrói o capitalismo ou o capitalismo destrói a humanidade?

Pouquíssimos. Valendo registrar que, dentre esses que se assumem anti-capitalistas, muitos têm esse discurso gravado no meandro de seus cérebros, enquanto usam sua energia para brandir um "Fora ALCA e FMI", reivindicações de caráter nacionalista que o próprio sistema se encarregou de resolver.

Todos são chamados a intervir. Todos devem fazer a sua escolha: ou o discurso conservador que respeita os limites do sistema ou o discurso da transformação social.

Eitaaaaa.. Crise existencial!!!!!

Licença-maternidade: o choro da mídia

Escrito por Altamiro Borges
Na semana passada, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto que aumenta em dois meses a licença-maternidade e oferece incentivos fiscais às empresas que aderirem à proposta. O projeto segue agora para sanção presidencial, mas deverá entrar em vigor apenas em 2010. No caso dos órgãos federais, a adesão será imediata após a sanção da lei; já os estados e municípios definirão suas regras próprias. No setor privado, a ampliação do benefício será opcional. A empresa ainda poderá abater do Imposto de Renda o valor bruto do salário da funcionária nos dois meses extras.

Para se beneficiar da ampliação de 120 dias para 180 dias de licença-maternidade, a mãe deverá trabalhar numa firma cadastrada no programa Empresa Cidadã e não poderá se dedicar a outra atividade remunerada ou colocar a criança na creche durante este período. Ela precisará solicitar a prorrogação do benefício no primeiro mês após o parto. Na prática, regulamentações estaduais e municipais já permitem que a mãe usufrua os seis meses de afastamento em 93 cidades e 11 estados da federação – sem maiores transtornos. Em síntese, o projeto de lei aprovado representa uma importante conquista dos trabalhadores, mas sem grandes traumas na economia.

Os benefícios do projeto
Apesar disto, a mídia hegemônica, refletindo os interesses mesquinhos da iniciativa privada, logo soltou seus cachorros contra o projeto. Ela deu espaço, quase que exclusivamente, às lamúrias do capital. Não deu realce à opinião dos especialistas, como a da Sociedade Brasileira de Pediatria. Segundo Dioclécio Campos Junior, presidente da entidade, o aumento do tempo da licença gera vários benefícios. "O cérebro da criança tem maior velocidade de crescimento nos seis primeiros meses de vida, essenciais ao desenvolvimento da inteligência e da capacidade de aprendizado".

Ele lembra ainda a importância vital do leite materno. "A mãe sabe que a criança deveria receber o aleitamento em caráter exclusivo por seis meses, só que a licença vigente garante apenas quatro meses. A mãe entra num grande dilema, que gera um estresse difícil de ser superado, o que pode levar ao desmame precoce e ao sentimento de culpa". A ampliação é tão benéfica que em vários países, como na Austrália, Chile e Rússia, o tempo de afastamento é bem superior ao do Brasil.

A "dureza do coração" do capital
Estes e outros argumentos, não amplificados pela mídia, parecem não sensibilizar as empresas. A gritaria frente à aprovação do projeto é violenta. Dá até dó dos pobres patrões! A Confederação Nacional da Indústria (CNI) emitiu comunicado oficial afirmando que a ampliação "sacrificará" a competitividade das empresas. "Não é dureza do coração, mas quatro meses de licença estão de bom tamanho", afirmou o representante da entidade patronal, Francisco Gadelha, que tem quatro filhas – provavelmente mais privilegiadas do que as trabalhadoras da sua própria empresa.

"Do ponto de vista humano, a proposta é interessante. Mas isso nos preocupa muito, pois estão sendo criados mais encargos para as empresas. Daqui a pouco, na hora de contratar, as empresas vão começar a evitar mulheres que possam ter filhos", alertou, em tom de ameaça, o empresário, como se isto já não ocorresse no país. Outras entidades patronais, como a Federação Brasileira dos Bancos e a Federação do Comércio de São Paulo, também já esbravejaram contra a medida, acusando-a de "engessar o mercado de trabalho" e de reduzir a competitividade das empresas.

Temendo novos avanços na legislação trabalhista, o capital prefere esconder que o benefício, que é opcional, poderá ser deduzido do Imposto de Renda. A União é que arcará com esta conquista. Segundo estimativas, os dois meses extras desta licença custarão à Receita Federal uma isenção fiscal de R$ 800 milhões, caso todos os estabelecimentos optem pelo programa. Mesmo assim, o patronato choraminga. Para ele, modernizar e flexibilizar as relações de trabalho significa, única e exclusivamente, retirar direitos e não ampliá-los. Para o capital tudo, para o trabalho, nada.

Altamiro Borges é jornalista, membro do Comitê Central do PC do B e autor do livro recém-lançado "Sindicalismo, resistência e alternativas" (Editora Anita Garibaldi).

MEC divulga notas das escolas do Acre


O Ministério da Educação (MEC) divulgou ontem o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2007, avaliação que ajuda a medir a qualidade do ensino fundamental e médio.

No Acre, as escolas públicas de 1ª a 4ª séries conseguiram nota 82, enquanto as privadas tiraram 98,3. A pontuação dos estudantes da 5ª a 8ª séries do Estado foram 86,6, e os alunos da privada obtiveram 96,4. No ensino médio a diferença foi maior, ficando em 74,5 para as instituições do governo e 94,1 para as pagas.

Como em outros Estados, o ensino acreano apresentou um resultado superior à média calculada para a Região Norte em todas as fases.

No item resultado final, as escolas privadas, que geralmente apresentam maiores recursos, obtiveram uma nota maior que as públicas na soma de todas as avaliações.

Apenas as instituições de 5ª a 8ª de Rio Branco (dados que não incluem as privadas) conseguiram 87,8, resultado superior ao alcançado em 2005, quando a nota ficou em 83,7.

Em Cruzeiro do Sul, as escolas municipais (91) superaram as estaduais (87,9). Na soma, o ensino gratuito registrou 88,4.

No Brasil, a média padronizada atingiu 4,2 e o Acre 3,2 com uma projeção de elevação para 3,3 em 2009.

O indicador é medido com base nas notas de avaliações como a Prova Brasil e em dados informados pelos próprios gestores no censo escolar.

O resultado parcial foi divulgado no dia 21 de julho pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep-MEC). (Freud Antunes)

Ah Xapuri ficou abaixo da média esperada!!!!

Aposentados começam a receber parcela do 13º a partir de Hoje

Do G1, em Brasília
O Ministério da Previdência Social começa a pagar nesta segunda-feira (25) a antecipação da primeira parcela do 13º salário dos aposentados, o que injetará R$ 7,08 bilhões na economia. Ao todo, 22,1 milhões de aposentados e pensionistas receberão a antecipação de parte do 13º salário até o dia 5 de setembro.

O ministro da Previdência, José Pimentel, deve fazer um anúncio aos aposentados na noite deste domingo (24). A segunda parcela do 13º salário dos aposentados será paga somente em dezembro - momento no qual incidirá o desconto do Imposto de Renda (IR).

Dos 25,7 milhões de beneficiários do INSS, 3,59 milhões não têm direito ao abono natalino. O 13º não é pago para os benefícios de amparo previdenciário do trabalhador rural, auxílio-suplementar por acidente de trabalho, renda mensal vitalícia, amparo assistencial ao idoso e ao deficiente, pensão mensal vitalícia, abono de permanência em serviço, vantagem do servidor aposentado pela autarquia empregadora e salário-família.

Acordo

O Ministério da Previdência lembra que este é o terceiro ano no qual a primeira parcela do 13º salário dos aposentados é antecipada para setembro. O pagamento faz parte do acordo firmado, em julho de 2006, entre o Ministério da Previdência Social e entidades representativas dos aposentados.

Pelo acordo, a antecipação do 13º será mantida até 2010, último ano do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A cada ano será editado novo decreto estabelecendo a antecipação.

Pagamentos

Segundo o Ministério da Previdência, os depósitos serão feitos juntamente com os benefícios do mês de agosto, de acordo com o último número do cartão de pagamento, desconsiderando-se o dígito. Pelo calendário de pagamento, o INSS creditará os benefícios até o dia 5 de setembro.

Aposentados e pensionistas que ganham até um salário mínimo serão os primeiros a receber, sendo depositados na segunda-feira (25) os benefícios cujos cartões de pagamento têm final 1, desconsiderando-se o dígito. Aqueles que recebem mais que o piso nacional poderão sacar a partir de 1º de setembro.

O pensionista ou aposentado que começou a receber o benefício depois de janeiro receberá o 13º salário proporcional. Os segurados que estão em auxílio-doença também podem receber uma parcela menor que os 50%. Como o benefício é temporário, a antecipação é proporcional ao período em que o auxílio-doença está sendo pago este ano.

O que dá para estudar na última semana antes do Enem 2008?

Chegando a época da realização das provas dos vestibulares, ENEM etc... é bom lembrar que um dos erros mais comuns dos estudantes é pensar no Enem como se fosse uma prova de vestibular. Num processo seletivo, estudante precisa demonstrar seu conhecimento das disciplinas do ensino médio. Já no Enem, a prioridade é avaliar a capacidade para resolver problemas. Em vez da matéria, o que vale são as competências e habilidades dos candidatos.

É sempre bom os colegas educadores relembraremn aos queridos alunos que Conhecer as habilidades pedidas no Enem é essencial para ir bem, se o aluno conhece a estrutura da prova, consegue focar mais os estudos. Portanto, estudar por provas anteriores também pode ajudar a ir bem na prova. Segundo Prado, no exame costuma haver uma concentração maior de questões que envolvem os assuntos de energia e meio ambiente.

É sempre bom observar principalmente a competência de número 5, ligada a preocupações éticas e sociais: "no Enem o posicionamento ético e solidário vêm primeiro. Se esses princípios não forem respeitados na redação, por exemplo, o aluno pode até zerar", conta, lembrando que nos vestibulares a lógica e a razão são priorizadas.

A pergunta mais frequente é se dá para estudar seguindo as matérias do ensino médio? Apenas algumas das habilidades podem ser estudadas por conteúdo: a de número 9 (compreender a água e sua importância), a 14 (conhecer as formas geométricas), a 15 (utilizar noções de probabilidade) e a 17 (entender processos e implicações da produção de energia).

é comum os professores destacarem alguns temas de atualidades que podem cair na prova: "apesar de não ser uma prova de atualidades, temas como a independência do Kosovo, o biodiesel, as eleições americanas, a questão da Ossétia e a inflação do preço dos alimentos têm chance de ser abordados".

Os Mais formais sempre lembram que revisar alguns pontos da gramática também pode ser útil: ortografia; vocabulário e semântica;colocação pronominal; vírgulas e pontuação; concordância verbal e nominal.

Descanso e boa alimentação
É importante se preparar, mas isso não pode significar desgaste físico. Evitar exageros na véspera é sempre de bom tom, tentar dormir cedo e fazer alimentação leve e saudável é sempre aconselhavel. É importante manter a calma e ter a consciência do dever cumprido.

Então boa Sorte Estudantes Xapurienses!!!!!

sábado, 23 de agosto de 2008

TRE disponibiliza processos na internet

Desde o início da semana passada, a Justiça Eleitoral do Acre passou a disponibilizar na sua página da internete também os dados dos processos que tramitam nos cartórios eleitorais, primeira instância da Justiça Eleitoral, que utilizam o Sistema informatizado de Acompanhamento de Documentos e Processos (SADP).

Com a disponibilização na internete dos dados dos processos eleitorais que tramitam na primeira instância, os advogados e demais interessados poderão ainda receber informações dos andamentos processuais automaticamente por e-mail.

Para tanto, basta acessar a página do Tribunal Regional Eleitoral do Acre (TRE-AC) http://www.tre-ac.gov.br, criar usuário no sistema denominado de SADP Push (na opção processos) e selecionar os processos de seu interesse. Feito isso, na proporção em que os cbartórios lançarem os andamentos processuais, serão enviados avisos automáticos.

Os Estados do Acre, Santa Catarina e Goiás são os três únicos que conseguiram, até o momento, implantar o referido sistema informatizado em todos os cartórios eleitorais.

O primeiro pedido ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que disponibilizasse na internete os dados dos processos que tramitam nos cartórios eleitorais partiu, ainda no ano de 2007, do TRE do Acre e foi seguido de pedidos de outros Tribunais Regionais Eleitorais.

Apesar do sistema já disponibilizar os processos que tramitam nas segunda e terceira instâncias da Justiça Especializada (TRE e TSE, respectivamente), a equipe técnica da Justiça Eleitoral enfrentou vários desafios para que fosse possível disponibilizar na internet, os dados dos processos que tramitam nos cartórios eleitorais.

A novidade não poderia ter chegado à época mais oportuna - período que antecede as eleições municipais, pois, mesmo os processos de registro de candidatura das eleições 2008, já encontram-se disponíveis. Com isso, está garantida maior publicidade aos atos jurídicos, praticados pelas três instâncias da Justiça Eleitoral. (Assessoria)

Vôlei feminino acaba com pecha de amarelão e fatura inédito ouro na China

Meninas do Brasil sobem ao lugar mais alto do pódio em Pequim e conseguem o melhor resultado da história da modalidade em Olimpíadas.
Equipe feminina acabou com desconfiança
A seleção feminina de vôlei afastou em grande estilo a pecha de amarelona que a persegue desde o quarto lugar nas Olimpíadas de Atenas, em 2004. Comandadas por José Roberto Guimarães, as meninas superaram todas as dificuldades e conquistaram uma inédita medalha de ouro nos Jogos de Pequim.

Antes de brilhar na China, a seleção feminina havia conquistado duas medalhas de bronze em Olimpíadas. A primeira delas em Atlanta-1996 e a outra nos Jogos de Sidney, em 2000. Essas duas campanhas foram comandadas por Bernardinho, atual técnico da seleção masculina, com a qual atingiu marcas incríveis.

A primeira vez que o time feminino do vôlei brasileiro participou de uma edição dos Jogos Olímpicos foi em Moscou-1980. Desde então, a equipe não ficou fora mais nenhuma vez. E tem colecionado boas jogadoras, como Ana Moser, Leila, Ana Paula, Fernanda Venturini, entre tantas outras que fizeram sucesso.

O momento do time, porém, não era dos melhores nos últimos anos. Embora tivesse na maioria das fases finais de todas as competições que disputou, os fracasso nas Olimpíadas de Atenas, em 2004, e no Pan-Americano do Rio de Janeiro, no ano passado, colocaram uma nuvem de desconfiança sobre o time de Zé Roberto.

A equipe chegou como uma das favoritas ao ouro na Grécia. Porém, na semifinal contra a Rússia perdeu de maneira incrível. As brasileiras tiveram a chance de matar o jogo em sete match points, mas permitiu que as russas reagissem e conquistassem a vaga na decisão do primeiro lugar, algo que seria inédito para o Brasil.

Na disputa pelo bronze, contra a arqui-rival Cuba, o time foi apático e terminou os Jogos com um decepcionante quarto lugar. Já no Pan-Americano, o encontro com as cubanas foi na decisão. E uma derrota por 3 sets a 2 decretou o tropeço em casa.

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Maioria dos eleitores não acredita em eleições limpas no Brasil, diz Vox Populi

EDUARDO CUCOLO
da Folha Online, em Brasília

A maioria dos eleitores considera que os políticos não cumprem as promessas que fazem, usam a política em benefício próprio e também afirmam que as eleições no Brasil não são feitas de maneira limpa. Esse é o resultado de uma pesquisa feita pelo instituto Vox Populi a pedido da AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros).

Para 82% dos eleitores, a maioria dos políticos eleitos não cumpre promessas feitas durante a campanha. Além disso, 85% consideram a política como uma atividade que só beneficia os próprios políticos, e não o povo.

Ainda segundo a pesquisa, 52% dizem que os resultados das eleições não são alcançados de "maneira limpa, sem fraudes" e com resultados confiáveis. Apenas 30% avaliam que as eleições são limpas e outros 18% não manifestaram opinião.

O presidente da AMB, Mozart Valadares Pires, disse acreditar que a questão das fraudes está relacionada a casos de uso da máquina administrativa para beneficiar candidatos e não a fraudes na votação, embora esse entendimento não esteja explicitado na pesquisa, feita por meio de questionários.

"Quando ele falou de fraude, falou no uso da máquina administrativa e do poder econômico durante o período eleitoral. São atos ilícitos para beneficiar determinados candidatos", afirmou.

Pires destaca que, apesar desse descrédito, 51% disseram que iriam votar e 11% afirmaram que provavelmente votariam mesmo que o voto não fosse obrigatório. Outros 30% afirmavam que não votariam se não fossem obrigados.

Corrupção

Apesar de considerar que o resultado das eleições não é muito confiável, a maioria dos eleitores afirmou desconhecer casos de corrupção.

A maioria dos entrevistados (69%) afirmou não conhecer casos de compras de votos. Se soubessem, 44% denunciariam com certeza e 16% "provavelmente denunciariam" o candidato.

Outros 22% disseram que não fariam a denúncia, enquanto 13% provavelmente não denunciariam.

Não houve perguntas sobre a questão da ficha suja de candidatos que respondem a processos, porque a pesquisa também foi feita em parceria com o TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Na semana passada, uma pesquisa apenas da AMB mostrou que 88% não votariam em candidatos que respondem a processos na Justiça.

Partido x pessoa

A pesquisa também mostra que o partido político tem pouco peso na escolha do eleitor. Apenas 10% dos eleitores afirmaram que escolherão os candidatos nas próximas eleições mais pelo partido, enquanto 76% levarão em conta "mais a pessoa".

Na escolha do candidato, o critério considerado mais importante foi a proposta de trabalho, seguido pelos benefícios para a sua comunidade e a experiência do político. Esses três critérios são considerados importantes ou muito importantes para cerca de 90% dos entrevistados.

Já o partido político tem importância apenas para 54% dos eleitores.

Responsabilidades

Em relação às obrigações dos políticos, um dado mostra uma tendência dos eleitores de quererem obter benefícios pessoais junto aos políticos eleitos.

Cerca de 95% dos entrevistados disseram considerar como obrigações dos vereadores discutir e aprovar leis e fiscalizar as contas das prefeituras.

Mais de 80% também listaram como obrigações, no entanto, ajudar a resolver problemas com órgão públicos e pagar despesas de hospital e enterro para pessoas necessitadas.

Em relação aos prefeitos, essas questões sobre assistencialismo são destacadas por cerca de 85% dos entrevistados.

O levantamento foi realizado entre os dias 27 de junho e 6 de julho, com 1.502 pessoas em todo o país. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais.

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Charge do Dia!!!!

Charge publicada originalemnte no Jornal O Povo do Estado do Ceará tendo como criador o Chargista Clayton.

Vamos esquecer trabalho e tudo mais, porque a partir desta sexta após a cerimônia de abertura das Olímpiadas 2008, toda desculpa será devido as competições.

O nosso Presidente que não é besta já tratou de fazer uma visitinha, já que não compete no Brasil vai ser estrela na China. E dá-lhe dinheiro público para mais um tour do Presidente Turista!!!

Coisas de Brasil!!!!

Três trabalhos atraentes

Ler é trabalho. Eleger um livro, livrar-se do tempo para ter tempo de percorrer suas linhas, penetrar nas entrelinhas. Ler é trabalho trabalhoso. Comer a carne da leitura, sugar-lhe o sangue, roer-lhe o osso. Suportar o que há de insosso até chegar ao poço de água viva. Mais: saborear o insosso. Sentir no insosso o gosto que poderia ter.

Ler dá trabalho. Guardar da leitura a palavra exata, a frase contundente, a imagem certeira, a metáfora nova, a idéia paradoxal, o personagem mais vivo que os próprios vivos. Ler é trabalhar sem salário, sem recompensa material. Ler é trabalho puro, trabalho duro, trabalho divino.

Ler é também trabalho sujo. Ler é lamber os séculos, digerir tudo o que há em outras mentes. Leitura suja. Leitura suja de vida. E por isso é trabalho limpo. Trabalho decente, atraente.

Pensar é trabalho. Raciocinar é pouco, apenas racionar idéias, contar os passos, evitar falácias, economizar processos. Pensar mesmo, que cansa, é transbordamento, perda do tempo que não temos. Pensar é imaginar e relembrar, transgredir e transcender.

Pensar dá trabalho. É virar do avesso o que já estava certo. Pensar é misturar. Bom senso com não-senso, senso prático com senso moral, senso comum com senso estético.

Pensar é trabalhão. Emagrece a alma. É sempre hora extra, hora extensa, hora extrema. Pensar é pensar nas horas mortas e nas horas vivas, nas horas vagas e perdidas, em cima da hora, pela hora da morte.

Escrever é outro trabalho e tanto! Escrever é ser escravo das letras. Trabalhar de sol a sol, de lua a lua, de segunda a segunda, de hora em hora, de chaga em chaga, de ano em ano, tudo e nada, com leitor ou sem, com editora ou sem, com dinheiro ou sem.

Escrever dá trabalho. Dá medo, dá dor, dá dó. Catar palavras nas areias, correr atrás de algumas, que fogem. Ou fugir das que nos perseguem, repetidas, redundantes, replicantes.

Escrever, trabalho braçal, trabalho de cão, trabalho de Hércules, trabalho de Sísifo, trabalho de parto que nos parte ao meio, trabalho forçado que liberta.

Ler, pensar e escrever. Três trabalhos que atraem, subtraem, maltratam e enriquecem. Trabalhos ocultos, solitários. Trabalhos que aumentam a fome de trabalhar. Trabalhos impunes. Trabalhos sem perdão, sem a devida remuneração. Trabalhos que não têm preço. Que não têm fim. Que não têm jeito.

*Texto publicado pela revista ABL

VOCÊ É BABACA??

Para rir um pouco!!!!!
Pelo menos uma vez na vida você já foi um BABACA....ou será que você nunca fez uma dessas, hein???

1- Almoço em grupo. Mesa retangular. Um de seus colegas, o Fulano, se senta numa das pontas da mesa. A primeira coisa que você diz é "O fulano vai pagar a conta!".
....Você é babaca.

2- Início da madrugada. 1h16 a.m. Alguém lhe diz. "Cara, amanhã vou acordar às 7h". Você se apressa em dizer "Amanhã não. Hoje!".
....Você é babaca.

3- Seu colega chegou mais tarde no trabalho e resolveu almoçar em casa ou num lugar que serve uma refeição melhor do que a porcaria do bandejão do seu emprego. Quando ele chega ao local de trabalho, você o convida para almoçar e ele lhe esclarece que já almoçou. É quando você, ágil como um sapo apanhando uma mosca, solta a frase "então você já veio comido?".
...Você é babaca.

4- Ou pior, o seu amigo chega atrasado no serviço e diz sorrindo: "Bom Dia!!!!!"; e você responde: "Boa Tarde!!!!!".
....Você é babaca.

5- Quando as pessoas estão cantando parabéns, você tenta embolar a cantoria, gritando os versos do início da música, enquanto todos já estão no meio da canção.
....Você é babaca.

6- Você fica rindo quando um homem diz que tem 24 anos, aludindo ao número do veado no jogo do bicho.
....Você é babaca.

7- Você faz alguma piada quando alguém diz que é do signo de virgem.
....Você é babaca.

8- Você diz para um amigo: "Se esconda!!" quando passa o carro da polícia.
...Você é babaca.

9- Quando uma mulher diz que está "de saco cheio", você diz que isso não é possível porque ela não tem saco.
....Você é babaca.

10- Se a anfitriã anuncia: "Temos pavê de sobremesa" e você pergunta: "É pra vê ou pra comer?"
....Você é babaca.

Se você ler esta postagem e falar que eu sou um babaca por achar que você se enquadrou em várias opções!!! Ops, cuidado, você está sendo.... BABACA!

Aprendendo a ouvir mais e a se calar quando necessário!!!!!

Estou em momento de aprendizagem que a melhor lição absorvida é a de que em vez de brigar com as palavras, deve-se ficar em silêncio, mesmo sabendo que nem sempre é fácil encontrar o que dizer, porém é muito fácil ouvir e aprender com os erros alheios

Difícil pensar uma situação em que ele não pareça adequado. Mas, inquietos, temos dificuldades em permanecer a sós com a própria consciência. Daí que o silêncio anda cada vez mais escasso. Ele é uma arma poderosa, um aliado da paz, uma necessidade e um direito , escreve a professora de meditação e psicoterapia Gunilla Noris. Na sua obra Convite ao silêncio (Editora Nova Era; 98 páginas), recém-publicada no Brasil, ela convida os leitores a se aproximarem desse estado de quietude natural como forma de se desvencilhar da agitação do dia-a-dia.

E, se você busca uma razão para calar frente ao turbilhão externo e entrar em contato com o que há de mais essencial em você, inspire-se. Em uma curta pesquisa na intert com o fito de ir atrás de uma série de pessoas que, mesmo aos tropeços, arrumam um tempinho para tranqüilizar a mente e contemplar o nada. surpreendi-me!!!Sem dúvida, trata-se de um exercício. Mas é muito recompensador quando, finalmente, conseguimos chegar perto do nosso eu mais íntimo, daquilo que nos define. Só em silêncio isso é possível

Vale a pena ficar em silêncio, pois mais vale a ação do que a palavra. A palavra é de prata . Eu particularmente aprendi a ficar em silêncio quando percebo que as pessoas não estão prontas para escutar o que tenho a dizer. Acho melhor baixar a cabeça do que ficar discutindo sem chegar em lugar nenhum

Tem gente que não pensa para falar. Acho que essas pessoas não merecem resposta, então fico em silêncio. Acho até que isso, algumas vezes, ajuda que elas percebam o tamanho da bobagem que disseram. É bem interessante deixar o outro falar à vontade. Ver como ele se encaminha para a própria forca, enquanto você fica em silêncio, só observando como o ser humano é capaz de sabotar a si mesmo sem ajuda, só com o próprio destempero .

Dizem que o silencio existe, mas eu não conheço o silêncio absoluto. De qualquer forma, quando consigo escutar apenas as batidas do meu coração, aproveito para dar voz aos meus sentimentos. Estou calado para quem me observa. Mas, por dentro, é a chance que tenho de gritar meus desejos. É bom lembrar que o silêncio não faz bem só para mim. É uma caridade silencia quando alguém calunia você. Deixe que o outro encontre a verdade dele e estabeleça suas próprias condutas. Trata-se de um gesto apenas, mas capaz de proporcionar o crescimento de duas pessoas .

Aprendi a usar o silêncio para abafar a raiva. Às vezes nada dá certo, nem meu raciocínio. Como sei que dar uns gritos não vai adiantar nada, fecho-me em mim mesmo e espero meus pensamentos acalmarem. Só quando isso acontece ouso dizer qualquer palavra .

é bom aprendermos que há dois silêncios, o da voz e o da mente. Nem sempre eles coincidem. Podemos ficar horas, até um dia inteiro sem emitir nenhuma palavra. E, normalmente, isso acontece quando nossos pensamentos estão fervilhando, num burburinho que não conseguimos ordenar. Agora, quando calamos a mente, é maravilhoso. É um estado de completude que transcende nossa alma para uma nova dimensão, completa. Absoluta, porém acima de tudo o silêncio é um atitude de respeito. Você precisa fica em silêncio para ouvir o que os outros têm a dizer. Hoje, é difícil encontrar quem se disponha a fazer isso. As pessoas têm mania de interromper, fazer comentários sem nenhum propósito. Parece que ninguém é capaz de prestar atenção em nada, além do próprio umbigo. É importante calar a voz e voltar os pensamentos às palavras de quem está com você, seja o namorado, seu chefe ou a moça que anota seu pedido na lanchonete. É impressionante, mas há quem sinta dificuldade de ficar quieto até em um momento de refelxao na igreja!!!

Então amigos vamos aprender a ficar calados!!! Vale para os politicos Xapurienses!!!!

O vício de roer as unhas

Dermatologista e psicoterapeuta dão soluções de emergência e também mostram como dar fim no vício a longo prazo

Mais do que um hábito constrangedor, roer unhas é um vício. Quando percebe, você já levou as mãos à boca e está fazendo dos dentes uma serrilha. As unhas são mastigadas com força e insistência. A pele em volta segue devorada, enquanto os dedos sofrem a pressão até não suportarem, respondendo com nesgas de sangue que vazam entre as cutículas estraçalhadas e até deixam vestígios nos lábios. Esse é o momento de parar , afirma a psicoterapeuta Maura de Albanesi, pós-graduada em terapia corporal. Os pacientes viciados em roer unhas só dão sossego às mãos quando elas sangram. Mas isso dura pouco: é só o tempo de finalizar a cicatrização para o ciclo recomeçar .

Ansiedade, angústia, falta de segurança e muita timidez são os sentimentos associados ao problema que, aliás, não precisa de terapia para ser corrigido. Segundo Maura, a força de vontade vale muito mais. Até hoje, nenhum paciente me procurou interessado em parar de roer as unhas, isso aparece como algo residual, como um sintoma de outras situações , diz.

Na maioria dos casos, o hábito começa na infância. Principalmente em famílias onde os adultos não dão muito espaço para elas manifestem suas próprias opiniões ou digam o que querem , afirma o dermatologista Marcelo Bellini, professor da Sociedade Brasileira de Dermatologia e Estética. A longo prazo, roer as unhas e puxar com a boca a pele da cutícula causam a chamada paroníquia crônica (infecção da pele ao redor das unhas, caracterizada por inchaço, vermelhidão e aumento da sensibilidade) . A doença interfere no formato das unhas e até comprometer o seu crescimento, porque é debaixo da cutícula onde está a matriz da unha, ou seja, onde ela é gerada.

Então, se a aparência desleixada das mãos é o que anda incomodando, o jeito é assumir isso e identificar as situações em que os dedos quase pedem para encontrar os dentes. As unhas são nossas garras, quem rói está, literalmente, comendo a própria agressividade. É um indivíduo que tem medo de se expor e precisa aprender a conduzir esta energia mais forte, em vez de triturá-la , afirma a psicoterapeuta.

De acordo com ela, essas pessoas precisam descobrir que tipo de atitude leva à auto-repressão. O próprio gesto de levar a mão até a boca lembra uma criança indefesa, acuada. No ambiente profissional, essa postura pode ser extremamente nociva se for interpretada como falta de assertividade .

Pintar as unhas de vermelho, no caso das mulheres, ou manter um chiclete na boca podem até servir como paliativos. Muitas pacientes também experimentam as unhas postiças na fase em que buscam conquistar mais segurança, porque a maioria rói até o esmalte , afirma o dermatologista. Mas, dificilmente, essas atitudes resolvem o problema. A solução é mesmo criar segurança para se expor. Você pode, inclusive, manter um bloco de anotações no bolso para escrever a hora e a situação em que teve vontade de roer as unhas. Isso ajuda a identificar onde estão seus focos de ansiedade, dando pistas de como aliviar esse sentimento.

Arqueólogos descobrem carro de guerra de 2.000 anos na Bulgária

Veículo de quatro rodas era usado como 'Ferrari' do antigo povo dos trácios.
Esqueletos de cavalo e objetos luxuosos também foram achados na região.

Arqueólogos desenterraram um carro de guerra de 1.900 anos, em ótimas condições de preservação, num antigo túmulo trácio no sudeste da Bulgária. De acordo com Daniela Agre, da Academia Búlgara de Ciências, o artefato, com quatro rodas, foi encontrado perto do vilarejo de Borisovo, a 270 km de Sófia.

Carros de guerra como este eram veículos de prestígio para nobres e generais da Antigüidade.

Num montículo artificial que servia de tumba, a equipe também achou cerâmica, copos de vidro e outras dádivas funerárias, depositadas ali em honra de um aristocrata trácio. Em outro local, os pesquisadores acharam os esqueletos de dois cavalos de corrida, aparentemente sacrificados durante o funeral do nobre, junto com objetos de bronze e couro que podem ter sido os arreios dos animais.

Os trácios habitaram as terras da atual Bulgária e parte da Grécia, Turquia, Macedônia e Romênia modernas entre 4000 a.C. e o século 6 da Era Cristã, quando foram assimilados pelos invasores eslavos. Calcula-se que existam uns 10 mil montículos funerários da era trácia na Bulgária.