Caros Leitores, desde a sua criação o Blog Xapuri News, o intuito sempre foi de ser mais um espaço democrático de noticias e variedades, diretamente da Princesinha do Acre - Terras de Chico Mendes - para o mundo, e passará momentaneamente a ser o instrumento de divulgação das Ações da Administração, Xapuri Nossa Terra, Nosso Orgulho, oque jamais implicará em mudança no estilo crítico das postagens.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Charge do Dia!!!

Terminou o carnaval é hora de voltar as velhas queixas, problemas na economia e tudo mais, e hora também de todo mundo se preocupar com o emprego porque segundo pesquisas aumentou o indice em mais de 2% todo mundo é que se cuide....

É Quarta feira de cinzas!!!

Ufa!!! Resisti às quatro noites carnavalescas, aproveitei ao máximo tanto na diversão quanto nas observações costumeiras que me é peculiar. Durante o carnaval tudo pode acontecer, e aconteceu!!! Limites foram ultrapassados, paciência alheia fora colocada em prova, amizades não resistiram, outras que praticamente seriam impossíveis de reatar voltaram à velha forma, excessos de falsidade foram evidentes enfim, eta periodozinho frutífero!!!!

Entre tantas situações inusitadas e maiores as que gostei, principalmente por estar sempre ladeado de amigos existiram algumas que detestei e como sou do contra mesmo falo e não peço segredo:

Banda Rio!!!
Pelo amor de Deus, Banda Rio, never... nunca mais.... Bye bye... alguém da Fundação Municipal de Cultura tem que dizer aos componentes da Banda que eles não estão com essa bola toda, não. Não são fisicamente uns Deuses Gregos para se acharem o último biscoito do pacote... Não possuem reconhecimento de público para ficarem dando pití em palco chamando segurança... e como enrolam... eu não estava no carnaval para ouvir baboseira de músico não, a cada música cantada aquela lorota para a platéia, como se os ouvidos do público fossem penico, e o pior que me traumatizaram porque se eu ouvir mais uma vez a música “vá buscar Dalila” eu me suicido, nesta ultima noite o grupo teve a displicência de tocar a musica contadinhas 5 vezes, ninguém merece!!! Depois o limite da paciência foi nos intervalos de troca de banda a equipe de som tocar “dance”, meus caros era carnaval boate é outro momento. Se pelo menos fosse algo atual, mas convenhamos as musiquinhas eram da época em que eu freqüentava a boate São Sebastião do saudoso Nogueira, lá em meados de 90 onde o sucesso da época era New Kids on the Block.

Capeta!!!
Sem fui contra e continuarei questionando a venda do coquetel de bebidas denominado “capeta”. Está quimicamente comprovado que a mistura de várias bebidas mais o açúcar e outras coisitas, provoca reações no organismo humano que até Deus não consegue compreender, já que quando os apreciadores do drink não vão parar no Hospital maluquetes, apresentam descontrole emocional tendendo à agressividade física, oque se comprova com as freqüentes “brigas” ocorridas durante os quatro dias de festa e muito intensamente no ultimo dia – ainda bem que a ação eficaz dos seguranças contratados e da policia militar impediram que problemas maiores ocorressem – e podem verificar com os detidos ou ainda os envolvidos nestas situações que na sua maioria maciçamente ou estavam consumindo o coquetel ou já estavam “loucos” por terem engerido-o. Dica para o Poder Público... na Capital e em outros municípios maiores já há lei municipal que ou proibe a comercialização do “capeta”, ou disciplina a sua composição.

Tradicional!!!
Não me chamem de pinguço, mas o dirnk que me referi anteriormente geralmente na sua elaboração é composto por: uma parte de cachaça, uma parte de vodka, a gosto outras bebidas, leite condensado e muito açúcar. Imaginem a dor de cabeça no dia posterior, faz juz o nome da bebida por que é coisa do capeta mesmo, nem no inferno te algo que o povo goste tanto mas que sabe que no final se f...

Spray Espuma!!!
Ô coisinha chata e que incomoda aquela porra de “espuma boliviana” em spray que os marmanjões e os porras loucas insistem em ficar jogando para o ar no meio dos brincantes, “lambrecando” todo mundo, que misturando com o suor, mais a bebida que também alguns imbecis que esquecem de que devem ser bebidas e não jogadas ao ar como se fossem chuva insistem em dar banho nas pessoas, vira um vudú que ninguém merece. O pior não é ficarmos cheio de espuma branca, já que com o passar dos minutos ela acaba sumindo, o ruim é aquela “m.....” ficar caindo dentro dos nossos copos de bebida...

Estátua de Carnaval!!!
Galera carnaval é carnaval!!! Carnaval é para dançar, pular se divertir, para se observar carnaval estaticamente deve-se manter afastado do local dos brincantes, ao longe, afastado... digo isso porque agente se depara com umas figuras intrigantes, que permanecem estáticos nomeio da multidão, sem beber, sequer dão um mexidinha na cintura e espera que ninguém os toque, e olha que quando alguém acidentalmente esbarra nessas antas festivas, o barraco ta armado, Deus me livre se em uma desses esbarrões você derramar alguma bebida aí é cara feia de um lado, caras e bocas de outro... Diga às estátuas de carnaval: vocês estão no lugar errado, na hora errada e com comportamento errado, se querem paz, tranqüilidade vão para casa dormir ou ainda para um retiro espiritual se querem assistir carnaval sem se exporem aos pisões e a todos os revezes, fiquem confortavelmente nos seus sofás assistindo pela Globo os desfiles das escolas de samba do Rio e de São Paulo, ou ainda na Rede TV se glamurando com a cobertura do Baile Gay.

Fora esses pontos acima declinados tudo foi perfeito, principalmente o retorno do Grupo Frutos da Terra em nova composição que deram um show nesses quatro dias. É a turma de Xapuri mostrando o seu valor, agora é torcer para que a atual Administração valorize e invista na nova turma,que seja bem diferente da Administração anterior que nos seus quatro anos de mandado não contratou ninguém de xapuri para os eventos realizados.

Por falar de Frutos da Terra, ponto para o músico Heitor Marcel que compôs uma homenagem à Xapuri que levantou a galera, composição essa de muito bom gosto, resta-me agora correr atrás da letra ou parte dela para apresentar em primeira mão nesse espaço.

Bem mas hoje é quarta feira de cinzas, dia de se restabelecer dos porres de preparar-se para o dia de amanhã onde todos voltam de fato ao trabalho. Hoje é dia para os católicos irem à Missa das Cinzas receberem a substancia à fronte ou alto da cabeça no simbologismo de perdão dos exageros da festa, aos queridos pentecostais – evangélicos” – de se reconciliarem pela “fraqueza” do período e tudo volta ao normal, todo mundo esquece do que aprontou ou do que deixou de fazer e ficam anseiosos pelo próximo ano, ou melhor ainda por julho no Carnaval fora de época em Brasiléia e em setembro para o CarnaXapuri.

Mas sem Banda Rio ou música “vá buscar Dalila”!!!!!

Recordar é Viver!!!

Nesta Terça (ontem) última noite de carnaval derrepente me deparei a pensar nos carnavais da minha vida, principalmente no primeiro carnaval que ninguém nunca esquece, não os Bailes infantis, mas quando se permitem a um adolescente a freqüentar o baile adulto. Hoje vemos adolescentes de 12-15-17 anos às 3:00h da manhã pulando carnaval, me causa inveja, já que na minha adolescência esse era o maior desejo não somente meu mas de todos meus amigos da época, mas pular como se os pais não permitiam e se fugíssemos não teríamos como entrar no antigo “ponto chique” e se ficássemos na rua os Comissários de Menor – Versão antiga dos conselheiros tutelares – agiam de forma rigorosa e nos convidava a dormir no quartel e só poderíamos sair da “cana” se os nossos pais no outro dia fossem nos buscar – peia na certa em casa - Bons tempos , boas lembranças... ou não!!!

Lembrei do meu primeiro carnaval, com 17 anos ganhei um ingresso de uma mesa para o carnaval e depois não parei mais. Até o ano de 1996 os carnavais de xapuri só aconteciam nos clubes fechados e o mais disputado era o organizado pelo amigo “Caboclo” no Ponto Chique, hoje clube Assemux, os interessados deveriam comprar suas mesas e os poucos ingressos individuais não davam para quem queria, somente a partir de 2006 é que os carnavais ganharam às ruas de Xapuri. Quando adentrei ao clube achei o máximo, umas 500 pessoas todo mundo dançando – dançando não – o costume era todo mundo ficar a noite toda circulando pelo salão. Axé nem pensar era marchinha de carnaval, tradicionalmente os músicos eram da Banda de Música Municipal e o auge era o Grupo HWELLEN... Bateu saudades!!!

Em 97 o carnaval se democratizou, na época por iniciativa da Administração do ex-prefeito Júlio Barbosa e devido a uma briga política entre a administração petista e o Sr. Caboclo “Peemedebista Roxo” os bailes foram esquecidos e nasciam deste então os carnavais populares de rua, ninguém mais quis pagar para pular carnaval,podiam fazer isso de graça no meio da rua, porém o bom dessa quizila é que fora possível a todos brincar o carnaval independentemente do poder aquisitivo, porém gradativamente o glamour carnavalesco foi se esfalecendo. Os tradicionais “ranchos” passaram a ser meras aglomerações de avacalhados e bêbados, poucas seriam as pessoas que tradicionalmente participavam a continuar a tradição, a alegria contagiante do período fora pouco a pouco se transformando em alegria alcoólica, transforma-se nesse período a festa carnavalesca em Xapuri tedencionalmente como ocorrera em outros centros urbanos de uma festa de família para uma festa da juventude e aí o negócio pegou fogo novamente, surgem os primeiros blocos da “galera”: O bicho comeu, É o Bich o, Cala a Boca e me beija, Os primos, Os virgens, Os Pés de Panos, Os Procurados e tantos outros que antecederam os mais tradicionais dos últimos três anos: Yaposi, Turma da Pitu, Virgens, As Beijokeiras, K entre Nós e os Caçulinhas: Natex e Leva Eu que fazem a alegria dos brincantes.

Acabei por me lembrar dos personagens que acabam fazendo a história do carnaval em Xapuri, pessoas que acabaram se transformando no símbolo da festa e que os mais jovens que eu e mais sem interesse na construção histórica desse pedacinho de Brasil, ou não se preocupam em aprender ou fazem esforço para esquecer, mas entre tantos personagens reais que povoam essa história, temos guardar um espaço especial para o saudoso Hélio Rodrigues, figura carismática responsável pelo estímulo e organização dos primeiros bailes de Xapuri que vivenciava o período carnavalesco segundo o relato de quem o conhecia mais profundamente. Lembro-me do Sr. Helio no Rancho do Carnaval Fora de Época de 2006 que debilitado de sua saúde física, assistira da sacada de sua casa ao desfile passar, o que não daria por adivinhar o que pensava momento dos saudosos carnavais de Xapuri. Outra figura saudosa do amigo João Simão (Sabiá), que nos deixou no ano passado, que além de sua inegável contribuição ao esporte xapuriense, animava os carnavais com grande alegria, responsável pela criação da primeira escola de samba de Xapuri, os Unidos do Limoeiro, onde por dois anos os desfiles de rua tiveram um novo sentido. Há uma lacuna nesses personagens que é a do nosso eterno Rei Momo, o saudoso João Goiano que na foto ao lado aparece com a rainha do ano Itaira Menezes. Seu João era o típico vovô animado durante o carnaval, sua energia era inesgotável e por durante um bom tempo sustentou o seu reinado. Mas essa história não é somente de pessoas que já se foram as figuras que até hoje ainda fazem parte do nosso imaginário e que ainda estão presentes firmes e fortes, como é o caso da nossa querida Dona Albertina, que ainda freqüenta os carnavais de hoje e diga-se de passagem sempre fantasiadas com suas roupas multicolores e muito bam maquiada e pelo jeito a tradição na familia deverá cntinuar já que a sua neta Maiele esse ano foi eleita a rainha do carnaval é como se diz filha de peixe peixinha é, e nesse caso neta de peixe peixinha com cnerteza, outra figura é a dona Célia Salim, quanta energia e alegria que dá inveja em pessoas com quatro vezes a menos a idade. Dona Célia apesar da idade ainda marca presença nos eventos e com uma alegria invejável ainda não deixa a peteca cair...

É vou parar por aqui senão podem dizer que estou nostálgico demasiado, ou ainda que estou ficando velhinho, mas torço que possamos nós estarmos futuramente nessa lista desses personagens e dos muito que nao citei nesse espaço...

Mas é carnaval e carnaval também é história!!!

Clipping!!! (Noticias da região)

Vale a pena ler de novo: Ex-assessor acusa Orleir"O Norte não tem lei. Os poderosos decidem quem vive e quem morre" - Guilherme Duque Estrada - 6 de agosto de 1997.

O carioca Guilherme Duque Estrada não vê sua filha de quatro anos, nascida no Acre, desde o primeiro aniversário dela, em 1994. Ele deixou o Estado naquele ano, depois de assessorar Orleir Cameli na prefeitura de Cruzeiro do Sul e na campanha para o governo do Acre.

"Parti porque descobri muita coisa sobre a morte do ex-governador Edmundo Pinto", afirma. O antecessor de Cameli foi morto em um hotel de São Paulo, em 1992, quando se preparava para depor sobre a obra do Canal da Maternidade - para a qual o ex-ministro Rogério Magri confessou ter pedido propina para liberar verbas. Estabelecer relações entre assassinatos, política e obras superfaturadas na região é o objetivo do livro que Guilherme lança em novembro.

O ex-assessor acusa o governador do Amazonas, Amazonino Mendes, de comandar o "Cartel de Manaus", que organizaria negócios com dinheiro público na região. A Cameli caberão "indícios fortes" de envolvimento com o narcotráfico. Ele esteve em São Paulo para assinar contrato com a editora Boitempo e concedeu a seguinte entrevista a ISTOÉ:

ISTOÉ - Do que vai tratar seu livro?
Guilherme Duque Estrada - Do que se chama na região Norte de Cartel de Manaus. Os fatos começam em 1989, quando o atual governador do Amazonas, Amazonino Mendes, ocupando o cargo pela primeira vez, convoca uma reunião para organizar campanhas nas eleições do ano seguinte, quando ele seria eleito senador. Entre os presentes estava o atual governador do Acre, Orleir Cameli, de quem Amazonino foi advogado e sócio. Ficou acertado que Amazonino bancaria as campanhas de dois candidatos a governador do PFL, presentes à reunião: no Acre, Rubens Branquinho, em Rondônia, Osvaldo Piana. Em troca, indicaria as empresas que fariam obras nos dois Estados. No Acre, a Marmud Cameli, e em Rondônia, a Contrec. No Acre, Branquinho perdeu a eleição para Edmundo Pinto, do então PDS (hoje PPB). Em Rondônia, o Piana não estava no segundo turno. Só que um dos finalistas, o senador Olavo Pires, é assassinado e quem assume sua vaga é Piana, que vence.

ISTOÉ - Quem matou Olavo Pires?
Guilherme -
O senador ia denunciar obras superfaturadas no DER. A Polícia Federal tem indícios contra pessoas como o empreiteiro Lázaro Barbosa, da Contrec e o próprio Osvaldo Piana. Todos eles teriam interesse na morte do Olavo Pires. Não há ainda nenhuma conclusão oficial, como não há no caso dos assassinatos do Edmundo Pinto e do Vandervan, da Cohab do Acre.

ISTOÉ - Era o Canal da Maternidade?
Guilherme -
Edmundo Pinto morreu em 17 de maio de 1992. Ele ia prestar, dois dias depois, depoimento à CPI do Magri. Ele pretendia contar quanto custava para chegar recursos ao Estado do Acre. Outra vítima foi o Vandervan de Souza, presidente da Cohab na gestão Edmundo Pinto. Quando a PF concluiu seu relatório sobre o caso do canal, indiciou 14 pessoas, entre elas Carlos Airton Magalhães, presidente da Sanacre e sobrinho do vice-governador que assumiu no lugar do Edmundo Pinto, Romildo Magalhães. Dias antes de depor na PF, Vandervan foi assassinado na porta de casa. Foi o mesmo grupo que passou a me perseguir, no final de 1994, quando deixei o Acre, sem romper com o Cameli. Eu havia descoberto coisas e era a bola da vez. Sofri o primeiro atentado, um tiro no rosto. Parei de poupar o Cameli em 1995, após conversar num hotel de Manaus com o irmão dele, o Eládio. Já no aeroporto, soube que tinham mandado o Leó, o matador do Cameli, me apagar.

ISTOÉ - Como age hoje o cartel?
Guilherme -
Quem comanda tudo é o Amazonico. Hoje a Marmud Cameli está fazendo obras da BR-174 e constrói portos no Amazonas. Em contrapartida, empresas como a Kapa, a Enpa e a Enconcel fazem obras das estradas BR-317 e BR-364, no Acre. A Enconcel é aquela que o suposto dono, o Fernando Bonfim, diz que ela pertence ao Amazonino e até apresentou fitas com o filho do governador admitindo isso. Já o Otávio Raman, dono da Kapa, aluga para o Amazonino a mansão onde ele mora, por R$ 7 mil mensais, quando se sabe que o salário de governador é de R$ 6 mil. A Enpa é a Contrec, do Lázaro Barbosa.

ISTOÉ - Cameli é ligado ao tráfico?
Guilherme -
Há muitos indícios. Em 7 de agosto de 1995 foi apreendido no aeroporto de Cumbica, em São Paulo, um boieng com contrabando, com o nome da construtora Marmud Cameli e comandado pelo piloto Mauro Olivier de Castro, que havia sido preso em 1990 no apartamento do Antônio Mota Graça, vulgo Curica, membro do Cartel de Cali. Em 1993, o Cameli mandou buscar no aeroporto de Rio Branco, vindo de São Paulo, Jamil Hassoul, comerciante de Foz de Iguaçu preso por envolvimento com o narcotráfico. Agora, dizer se o Cameli tomava parte cabe à Polícia Federal.

Detido após virar camionete dirigindo sem habilitação e alcoolizado Por volta das 13h00, Sandro Dias Jerônimo, foi detido por policiais militares da cidade de Brasiléia no Bairro José Moreira após capotar uma S10, placas MZN 7119. Segundo informações, o mesmo havia pêgo o carro emprestado para comprar gelo no Bairro.

Na volta, em um momento de descuido quando ia trocar um cd, caiu no barranco e o carro virou de rodas para cima. Sandro ainda não tem carteira, pois, estava a espera da habilitação para o próximo mês. Para piorar ainda mais sua situação, o teste do bafômetro deu muito acima do limite de 0,2 e acusou 0,92. Considerado embriagues, foi conduzido pelos policiais até o Quartel da PM na cidade.

Segundo informações, Sandro é reincidente em dirigir sem habilitação. Três semanas antes do Natal, o mesmo envolveu-se em um acidente com moto onde atropelou uma pessoa.O mesmo será encaminhado para a delegacia de Brasiléia para ser ouvido pelo delegado José Alves, titular da delegacia da cidade. Sandro responderá por infrações de; dirigir sem habilitação e embriagado.

Segundo dados da pesquisa realizada pelo Conselho Nacional de Justiça, publicada recentemente, o Poder Judiciário acreano apresenta um dos maiores custos - por habitante - do país.

Segundo o CNJ, a manutenção do Poder Judiciário do Acre custa hoje, aproximadamente, R$ 112,13 por habitante. A média nacional é R$ 81,17 por habitante.No ítem relacionado às despesas totais da Justiça sobre o PIB estadual, só perdemos para Roraima. No que diz respeito à quantidade de juízes, aparecemos com média 7,72, um pouco acima da média nacional, que é de 5,86 juizes por 100 mil habitantes.

Já em relação à quantidade de pessoal auxiliar por 100 mil habitantes, ocupamos o segundo lugar, com 240,03 servidores por cada 100 mil habitantes. A média nacional é 103,68.Quando o assunto é Juizados Especiais, o Acre apresenta a maior taxa de litigiosidade do país. São 5.580 novos casos a cada 100 mil habitantes.

Por outro lado, o Tribunal de Justiça do acre, no que diz respeito à carga de trabalho no juízo de 2º grau, apresenta um dos menores índices.
A pesquisa mostra ainda que o Acre é o estado onde a população menos aciona o Tribunal de Justiça, via recurso, após sucumbirem no 1º grau.


Acreanos devolvem carros financiados ao descobrir que não podem pagar pelo bem
Os bancos brasileiros têm em conjunto um estoque de pelo menos 100 mil carros recuperados de clientes inadimplentes, o equivalente à metade das vendas mensais de veículos novos no país, para desovar no mercado de autos usados, revela reportagem de Toni Sciarretta na Folha. Em Rio Branco, segundo informações do despachante de veículos, Carlos Cesar Pontes, cerca de 74 veículos são devolvidos mensalmente pelas pessoas que o adquiriram mas que não podem pagar pelos financiamentos. Segundo o despachante, a facilidade na compra dos veículos acaba fazendo com as pessoas comprem compulsoriamente. ‘essas pessoas só descobrem que não podem pagar pelo bem adquirido três ou quatro meses depois, quando sentem o impacto das parcelas no orçamento mensal, conta ele.Explica Cesar Pontes que a devolução voluntária facilita uma negociação com os bancos financiadores dos bens. ‘Como os bancos não querem perder dinheiro acabam aceitando a proposta de devolução’. Mas isso não implica que o devedor seja ressarcido das prestações pagas. Elas servem como pagamento por uso do automóvel.

Chuva derruba cobertura de palco em Brasiléia
Uma forte chuva que caiu por volta das 12h00 da segunda-feira, dia 23, fez com que parte da cobertura do palco localizado no centro da cidade de Brasiléia, fosse ao chão. No momento, havia alguns técnicos fazendo ajustes no palco e por pouco, um não foi atingido. Caso não pulasse de uma altura de quase três metros, e possivelmente teria sofrido maiores danos.

A Polícia e bombeiros foram avisados do ocorrido. Momentos após a cobertura cair, a prefeita Leila Galvão passou no local e foi comunicar à sua equipe para tomar providências. Alguns equipamentos como iluminação e caixas de som e outros, aparentemente não sofreram maiores danos.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Charge do Dia!!!

É Carnaval...

Desde o dia 12 que não postava nadica de nada nesse blog, amigos e leitores já estavam me cobrando, nem que fosse um comentariozinho sequer. Também senhores, tive um após 23 dias de férias um turbulento inicio de Trabalho, alguns deslocamentos até Rio Branco e Brasiléia, uma semana de planejamento com os colegas professores do ensino médio, seguida da semana de volta as aulas, onde de uma tacada tenho 6 turmas totalizando quase 250 estudantes e somando a tudo isso, tive problemas com a internet, vírus no meu PC, meus arquivos de um pendriver de 16 gb quase foram para as cucias perdi quase 03 dias para recupera-los, enfim o vidinha de cão nesse últimos 15 dias, mas estou de volta com a rotina de sempre e para recuperara o fôlego e entrar no ritmo cai no carnaval....

Apesar de não lá essas animações todas, caí na folia, ladeado por amigas e amigos, estou tomando todas – coisa que não posso fazer – e aproveitando para rever pessoas que geralmente só nessas épocas é que “dão as caras por essas bandas”.

Comecei o carnaval já meio puto, a galera do Bloco “KEN” depois de atrasar a entrega dos abadás já que os mesmos só chegaram em Xapuri no inicio da tarde de sábado, simplesmente deram o meu abadá para outra pessoa... que papelão... mas, não seria devido um abadá que eu não cairia na folia mais que depressa adquiri um outro do Bloco Leva Eu, que por sinal a minha amiga Deka, deu aqueles ajustes e pronto Lá vou eu....

Prometi que não beberia, seria abastecido apenas de muita água durante a festa, mas de cara já encontro no início da noite a “turma do pizero” aí lascou-se tudo, caí na farra de vez... Quando me vi já estava paulado e pulando no meio do povo... Que coisa boa.... Carnaval tem dessas coisas de unir a todos independentemente de quaisquer diferenças ou divergências existentes.

Carnaval em Xapuri é tudo de bom é uma festa familiar “ou não”, onde violência quase não existe, com exceção de alguns que com a cabeça cheia da “marvada da cachaça” extrapola os limites, porém nada que uma noite na delegacia de cueca não resolva. Em Xapuri ainda se pode ver aqueles que fazem suas “bebidas” em casa e levam para a festa, ainda se pode ao final ir para casa de pé conversando com amigos, que caso ainda queira ficar sentado junto aos meio-fios das praças papeando até amanhecer o dia, esperando o café da manhã na “pensão da Tia Vicença” ou ainda os quitutes da Dona Maria ao Lado do Basa. Xapuri ainda se pode ir a uma noitada de carnaval somente para observar os foliões e cair na festa sem um centavo no bolso e no final estar completamente bêbado, e é por essas e por muitas outras coisas que carnaval em Xapuri, como dizia a minha Avó “é uma porretada na muleira de bom”

Sem queixas, estou aproveitando e torcendo para aquentar esta terceira noite e a quarta e ainda estar vivo na quinta quando do retorno ao trabalho!!!

Rapidinhas do Carnaval Xapuriense

Apesar de não ser o meu forte, vou arriscar-me a dar uma de colunista e comentar os bastidores do carnaval de Xapuri. Por favor não me levem a mal é só uma pitadinha de veneno e para descontrair um pouco...

Ponto para o Prefeito Bira
No quesito organização realmente o carnaval deu uma melhorada, ponto para o Prefeito Ubiracy que diferente do anterior primou pela inteligência e não pela ostentação. Digo em relação à valorização de Xapuri no Carnaval: Bandas locais, seguranças da comunidade, decoração moderninha porém simples, organização na praça de bebidas e comidas, antecipação do pagamento do funcionalismo municipal e principalmente no quesito de se fazer presente do inicio até quase o fim da festa nestes dois dias.

Este ano não vai “ter” prefeito cantor?
Muita gente comentava no sábado e na noite de ontem que já estavam com saudades das marchinhas carnavalescas que o intrépido Vanderley Viana cantava nos carnavais de seu mandato após umas boas doses na cabeça. Pelo jeito esse ano não ouviremos do atual prefeito as melodias: Se a canoa não virar, o cravo e a rosa, eu matou que roubou minha cueca e tantas outras...

Ninguém entendeu...
Uma pergunta que insiste em me imcomodar, o aparato de segurança do carnaval 2009 em Xapuri, conta com a participação de uma viatura “caminhão” do Corpo de Bombeiro e uns quatro agentes... Pra que mesmo?

Reinado Solitário...
Com merecimento foram eleitos na noite sexta passada o Rei Momo e a Rainha do Carnaval de Xapuri, leia-se Toni Lopes e Maiele de Paula, ambos com muita agitação e samba no pé, só que quase não aparecem juntos... quando um está no norte o outro está pra lá do sul. Reinado moderninho.... merecidamente os dignos representantes participam dos maiores e mais animados blocos da cidade – o Rei Momo é um dos principais coordenadores do Bloco Os Virgem e a Rainha do “K entre Nós”...

Gato por Lebre
Por falar no bloco K entre Nós, achei muito interessante a apresentação do mesmo com valorização da cultura regional, onde esboçaram a lenda da Iara “mãe d’água”, porém uma coisinha me intrigou... no estandarte de abertura do bloco estava impresso uma figura do personagem “pequena sereia” da Disney e a Iara é da Amazônia,viu queridinhos.......

Ponto para os números oficiais
Segundo o sítio da agencia de noticias do Acre, noticias veiculada através da jornalista Dayana Soares, com informações do Presidente da Fundação Municipal de Cultura, dão conta de que até agora cerca de 2 mil pessoal participaram do evento.... bom senso na quantificação, por que realmente expressa a verdade, já que não tem tanta gente como costumeiramente acontece.... e em Xapuri já é costumeiro multiplicarem os números por 10 quando se fala em comparecimento a eventos

Sem grana.... sem diversão!!!
Não tem que se esforçar muito para saber por que o número relativamente pequeno de pessoas no carnaval deste ano... falta de dinheiro... apesar da antecipação do pagamento dos servidores públicos a crise ronda todo mundo... outra situação é a forma de olhar as pessoas, já que quando havia toda estrutura do barracão coberto, dos camarotes, das arquibancadas e tudo mais no espaço do evento acabava faltando espaço de concentração, hoje com toda a área livre necessitaria de 3 vezes mais gente do que antes para reproduzir o efeito de quantidade anterior... olhar matemático senhores

A onda é sangue novo...
Não tenho neuras em relação a relacionamentos entre pessoas com diferenças de idade, nem mesmo do mesmo sexo, mas estou “pretérito” em observar que nesse carnaval as minhas amigas quarentonas só querem os bebezinhos de 15, 16, 17 anos... valei-me!!!
Olha o Conselho Tutelar suas ninfetas pedófilas... kkkk

Linha Dura
Por falar em Conselho Tutelar, belíssima atuação dos novos Conselheiros, assim como alguns do mandato passado com uma ação rigorosa aconselha, disciplina e fiscaliza a presença de menores nos eventos. Assiti algumas intervenções dos Conselheiros e denotei grande flexibilidade, carinho e respeito nas abordagens...

E Finalmente
Me enviaram pó email algumas fotografias das minhas peripécias nesse Carnaval, e digo logo que não posso publica-las, o que que a cerveja não faz!!!!

Polícia Rodoviária Federal Intensifica Operação Carnaval nas estradas acreanas

A Polícia Rodoviária Federal iniciou na madrugada de quinta feira a operação Carnaval. A fiscalização está sendo realizada com o reforço de todo o efetivo da corporação e algumas vias como a BR 364, BR 317 e Via Verde serão os pontos principais de fiscalização. A Operação Carnaval obedece a um calendário nacional e será encerrada à meia-noite da quarta-feira de cinzas, dia 25 em todas as rodovias do país.

Segundo o inspetor Lauro Silva, chefe substituto de fiscalização da PRF, o trabalho das equipes será intenso com o objetivo de coibir práticas comuns nesse período, como a ingestão de bebidas alcoólicas, ultrapassagens não permitidas, retornos proibidos além de repressão aos crimes de descaminho e contrabando de cargas principalmente na BR 317 que liga Rio Branco a Brasiléia.

O inspetor alerta ainda aos cuidados que os motoristas devem ter antes de pegar a estrada, a fiscalização será intensa quanto aos itens obrigatórios nos veículos assim como o uso de cintos de segurança e capacidade máxima de passageiros. “Reduzir o número de acidentes e proteger as vidas nas estradas” é o principal objetivo da Operação Carnaval da PRF do Acre, enfatiza o inspetor.

E a operação já está dando resultados, já que no inicio da operação, uma equipe da PRF que estava realizando uma operação de rotina na BR 317, próximo ao nosso querido Município de Xapuri, pararam um veículo taxi, modelo Fiat Palio, Placa CNB-6978, que vinha de Brasiléia com destino a Rio Branco.
Ao realizar a vistoria nas bagagens, encontraram uma pistola calibre 9mm, 01 carregador e 15 munições no meio dos pertences de Alexandre de Azevedo Costa. O mesmo afirmou que havia adquirido a arma na cidade de Cobija, na Bolívia, por U$ 500,00 (quinhentos dólares americanos) .

Segundo informações, a arma tinha o número de série raspado o que dificulta saber a origem e fabricante. Policiais suspeitam ter sido uma das armas usadas nos assaltos que acontecerem nas cidades de Brasiléia e Epitaciolândia. Alexandre foi encaminhado para a Delegacia da Polícia Federal de Epitaciolândia para ser ouvido pelo delegado de plantão.

Ex-deputado Sérgio Naya é encontrado morto na BA

O ex-deputado Sérgio Naya foi encontrado morto na tarde de hoje num quarto do hotel Jardim Atlântico, em Ilhéus, na Bahia, onde pretendia passar o feriado de carnaval. Segundo o médico chamado para o atendimento, a provável causa da morte foi um enfarte. As informações são do serviço de comunicação do hotel baiano.

Segundo o estabelecimento, o motorista de Naya solicitou que o ex-deputado fosse chamado, pois não estava no lugar marcado para encontrá-lo. Os funcionários chegaram a procurá-lo em outras dependências do hotel, antes de entrar no quarto.

O corpo de Naya foi encaminhado ao Instituto Médico legal (IML) da cidade, onde aguarda a chegada dos familiares, que já foram avisados. Ele era proprietário da construtora Sersan, que ergueu o prédio Palace II, na Barra da Tijuca, na zona oeste da capital fluminense. O imóvel desabou em 22 de fevereiro de 1998, provocando a morte de oito pessoas.

Que o diabo o receba de braços abertos!!!!

Polícia Federal faz alerta em relação às notas falsas

A Polícia Federal reuniu na manhã da sexta-feira, 20, a imprensa para fazer um alerta em relação às notas falsas que podem ser repassadas em maior número no período do carnaval. “As pessoas precisam verificar a autenticidade das cédulas principalmente nessa época do ano quando é comum aumentar a incidência de notas falsas no mercado”, destacou o perito criminal federal Francisco Pessoa.

A Polícia orienta ainda que as notas suspeitas devem ser encaminhadas à sede da Polícia Federal, já que assim como repassar cédulas falsas, o porte também é crime. As pessoas podem ainda procurar uma agência bancária ou uma representação do Banco Central do Brasil para solicitar o exame de autenticidade.“Quando se recebe uma nota falsa é preciso recolher o maior número de dados da pessoa que porta a cédula”, enfatizou o perito. Quem tentar colocar uma cédula falsa em circulação depois de tomar conhecimento de sua falsidade, mesmo que a tenha recebido de boa fé, pode ser condenado a uma pena de 6 meses a 2 anos de detenção.

Para verificar a autenticidade das notas de R$ 10, 20, 50 e 100 alguns itens devem ser observados como o fio de segurança feito com material plástico, as fibras coloridas, a impressão em alto relevo, a presença do símbolo do Banco Central, das micro-letras e da marca d’água do lado esquerdo das cédulas. “A maioria das notas falsas apreendidas no Estado é identificada facilmente”.

Vale lembrar que, de acordo com informações do Banco Central, quando a pessoa que recebe a nota encontra sinais evidentes de que pode se tratar de uma falsificação, é um direito do cidadão se recusar a receber a cédulas.

O Carnaval e Minas colonial

Escrito por: Frei Betto
Em sua origem o Carnaval era festa religiosa. Proibidos de comer carne e manter relações sexuais durante o período da Quaresma, os cristãos reservavam os três dias que antecedem a quarta-feira de Cinzas para se fartarem. Aos excessos da mesa e da cama se acresceram bailes a fantasia, marchas e desfiles. Com o tempo, o Carnaval paganizou-se e, hoje, sob outro prisma, continua a corresponder à sua etimologia: festa da carne...

Brasileiros e estrangeiros contemplam, embevecidos, os desfiles de escolas de samba. Causam admiração a suntuosidade dos carros alegóricos, os ricos detalhes das fantasias, os enredos, a música, o requebro das mulatas e o gingado dos passistas.

Ora, o primeiro desfile que, sem exagero, pode ser considerados primórdio do Carnaval no Brasil ocorreu em Vila Rica, atual Ouro Preto, em 1733, e foi descrito em detalhes pelo português Simão Ferreira Machado, que a tudo assistiu. Trata-se do Triunfo Eucarístico, procissão que transladou a eucaristia da igreja do Rosário à inauguração da igreja do Pilar.

Cinco elevados arcos, a boa distância um do outro, assinalavam o trajeto do cortejo. As ruas atapetavam-se de cenas bíblicas modeladas com serragem colorida, borra de café, farinha, areia, sal, vidro moído, folhas e flores. Aqui um desenho evocava a primavera; ali, os mistérios da distante Arábia. Crianças negras se vestiam como príncipes, mucamas como rainhas, mendigos como doutos cardeais.

À frente da procissão, figuras em trajes militares representavam mouros e cristãos. A cada esquina o cortejo fazia pausa para encenar o conflito através de animada dança. Do alto de carros alegóricos, primorosamente pintados, a tudo assistiam o Imperador e o Alferes, interpretados por renomados atores. O carro maior, em forma de abóbada, ocultava um cavaleiro que, saído de dentro, montava a cabeça da serpente, símbolo da vitória do bem sobre o mal.

Atrás, quatro figuras a cavalo representavam os ventos Norte, Sul, Leste e Oeste. O Oeste, soprado na estridência de uma trombeta revestida de fitas multicores, trazia à cabeça uma caraminhola de tisso branco. Na fronte, um laço de fita de prata, cor-de-rosa, exibia ao centro um broche pontilhado de diamantes. O Vento Leste cobria-se com um cocar de plumas brancas cingido de arminhos. O capilar de seda branca do Vento Norte, guarnecido de galões de prata, estampava flores verdes. O Vento Sul trazia borzeguins cobertos de penas e, nas costas, duas asas; na mão esquerda, uma trombeta, da qual pendia um estandarte de cambraia transparente, bordada a mão, com aplicações de laços de fita de prata em cores rosa e vermelho.

Atrás dos ventos vinham as ninfas com os cabelos semi-encobertos com turbantes bordados de prata e muitas pérolas. Vestiam seda com franjas de prata. Do ombro esquerdo de cada uma pendia, por cordão de ouro, a aljava; no braço direito, o arco; na mão, a seta. A mão esquerda conduzia um cão perdigueiro preto, de cujo dorso pendiam fitas azuis; tinham o pescoço enroscado por cascavéis de prata.

Atrás despontava a Fama montada a cavalo, coroada por um toucado de diamantes em forma de flores. O peito recobria-se de renda em ouro e pedrarias e, nas costas, abriam-se duas asas marchetadas. A mão direita empunhava um estandarte com a pintura, numa face, da Arca da Aliança e, na outra, uma custódia. Acolitavam-na dois pajens de fraldins rubros e corpetes holandeses, e com asas nos chapéus, nas costas e nos pés.

Surgia em seguida a Lua, montada em formoso cavalo branco coberto com manta ajaezada toda bordada em prata. Revestia-lhe a cabeça um turbante azul bordado com pérolas.

Atrás vinha Marte cercado por três figuras com toucas mouriscas de carmesim de prata e fitas verdes derramadas sobre os ombros. A figura do meio tocava caixa de guerra; a da esquerda, pífano; a da direita, trombeta.

Rodeado por um colar de anjos, despontava o Sol, a cabeça coroada de luzes, a cabeleira em fios de ouro. Vestia tisso cor de fogo, o peito coberto de diamantes unidos por costura em ouro. Dali erguia-se um círculo de raios em ouro e pedras preciosas. Nas mãos, uma harpa dourada.

Os negros faziam soar charamelas, pífanos, tambores e trombetas, dançando em roda no centro da qual se erguia um alemão a soprar um estridente clarim. Os fiéis das irmandades fechavam o desfile, ou melhor, a procissão, trajando damasco carmesim franjado de ouro, opas de seda branca e chamalote verde. Encobriam o cabelo com chapéus de plumas.

Num dos carros triunfais, puxado por duas águias coroadas de ouro, Júpiter se destacava. Vênus se projetava em outro carro em forma de concha que, por engenhoso artifício, movia-se como que tocada pelo balanço das águas do mar.

Nunca se soube quem bancou tamanho esplendor que, segundo o anônimo mecenas, deveria refletir a magnificência digna das glórias celestiais.

Quem pensa na casa

Escrito por: Gabriel Perissé
Morar numa casa. Numa casa com asas. Voar lá dentro, para fora. A casa em que você mora, em que você ri e chora, em que você ama e dorme, come e brinca, lê e escreve, pensa e morre. A casa para a qual você corre no fim do dia. Na casa, teto e paredes, escada e jardim, banheiro e cozinha, quintal e copa, sala e quartos, janelas e portas.

Na casa, você conversa com aqueles que ama e admira. Você faz versos. Você se veste e se despe. Você recepciona e se despede. Na casa, você anda descalço, toma remédio, toma café, troca lâmpada, lava louça, tira soneca, vê TV, xinga político, beija filhos, faz de tudo um pouco.

Não há casas perfeitas. Em toda casa falta um copo, falta uma linha, um motivo a mais de segurança. Em toda casa há um fantasma, pequeno que seja, num canto, gemendo, assombrando nossa imaginação.

Quem pensa na casa já está morando ali. Quem pensa na casa leva o pensamento longe demais. A casa voadora atravessa o tempo, bebe do passado, afugenta o presente, pisca um olho para o futuro.

Minha casa não é esta ou aquela. A casa definitiva não se deve construir no meio da ponte. A vida é ponte que nos leva para além do poente. Mas enquanto estamos a caminho, é bom ter uma casa onde possamos entrar para descansar as pernas.

A casa possível jamais será a casa ideal. A ideal não tem nada de mau. A casa ideal já existe. Eu é que ainda não recebi as chaves. A casa ideal foi edificada com materiais eternos. A casa ideal flutua divinamente.

Por enquanto, preciso da casa possível. A imperfeita casa, na qual baratas entrarão. Na qual encontrarei rachaduras. Na qual sentirei por vezes calor excessivo, frio, tédio, medo, solidão, angústia.

Casa, casinha, casarão. Casa pedindo reforma. Casa vulnerável. Casa aconchegante. Casa que um dia cairá, casa à mercê da podridão, à mercê da maldade humana.

Estou pensando na casa, cheia de luz, livros, crianças, quadros, cores, sabores, perfumes, palavras, silêncios, verdades.

A casa também pensa em nós. Está aberta e trancada, vigiada e inocente, na rua movimentada, no beco, necessitada e indiferente, cercada de flores, no meio do deserto, habitada por segredos, cobiçada e desprezada, imagem perdida e reencontrada no horizonte.

Gabriel Perissé é doutor em Educação pela USP e escritor.
Website:

Sugestão de Leitura

Saramago-A Viagem do Elefante , seu livro mais recente. "Ler´José Saramago, é atrair para nós o imponderável e para nossa cultura, um acervo, sedutor!"

Acredito que já devem ter ouvido falar das obras de Saramago, Nobel de Literatura, autor típico daquelas pessoas que como eu viajam filosoficamente em um bom livro, porém difícil de ler.

Pessoalmente, há alguns autores que eu adoro ler , mas confesso que me cansam , um pouco. Guimarães Rosa, Gregório de Mattos , Euclides da Cunha, o livro FILOSÓFICO de Sartre , O SER eo o NADA. São prolixos, herméticos e a leitura não flui como eu gostaria que fluíssem...

Comprei o livro "A Viagem do Elefante" , o último de José Saramago. . Li com muito entusiasmo, prazer e proveito. Confesso que esse livro flui, desde o início. É um livro, essencialmente de ficçao. Só é verdade, alguns 10% ou menos, mas, fiquei completamente encantado com a lógica alegórica/literária pela qual passeiam os personagens , principalmente o Elefante - Salomão é o nome dele.

O elefante e o outro personagem chamado Subhro , um indiano são os dois privilegiados , nesta saga de Saramago. A missão dos dois é bastante amarga, pois ficam a nadar no meio de um viés ateísta . O narrador é bárbaro, de maneira que você navega com deleite, pelo texto que o Saramago dá o nome de conto e não romance.

Li que quando perguntado o motivo dele falar que o livro é um conto, ele declara que, na obra, faltam todas as características de um romance. Para mim, é um romance, porque se, Saramago, nem definiu o conto e nem o romance, não vai ser eu , um mero mortal, querer dizer algo ao contrário.

A narrativa é gostosa e não conta com as saliências que em tempos idos, faziam o leitor "suar" ou então parar de ler, já nas primeiras páginas. Aliás, já existe uma "máxima" filosófica que diz : ´Se até á página 50 ou menos , ou mais , conforme o tamanho do livro , você não gostou , não se entusiasmou, largue o livro de lado”

Para terminar: há 2 coisinhas que eu não gostei. Uma delas até posso contar, mas a que eu detestei, não conto. Afinal você deve ler o livro, não é?

Para quem aceitar a dica... Boa leitura , divirta-se da melhor forma possível.

Brasil, um país de mal educados

Escrito por: Waldemar Rossi
A frase que dá nome a este texto não está sendo escrita no sentido pejorativo. Está apenas querendo mostrar que nosso sistema educacional vai de mal a pior.

O Diário de S. Paulo 18 de fevereiro traz mais uma péssima notícia para as nossas famílias. Sua manchete é bem sugestiva: "Desempenho em português cai entre alunos da 4ª série". Trata-se de avaliação do aprendizado de crianças em escolas públicas do Ensino Fundamental do município de São Paulo, cidade conhecida como motriz da economia e da cultura (?) nacional. "A avaliação foi feita pelo Movimento Todos Pela Educação, com base em dados da Prova Brasil, avaliação aplicada pelo governo federal", diz a matéria. Pela avaliação de entidade federal, as crianças do ensino público paulistano deixam muito a desejar em termos de aprendizado da nossa própria língua.

Apenas 26,9% dessas crianças atingem a média necessária para serem consideradas satisfatoriamente alfabetizadas. É bom que se diga que a média esperada deveria atingir apenas 31% das crianças. Média baixíssima para que essas crianças possam ter um desempenho escolar seguinte com bom aproveitamento. Medíocre se queremos que nossas escolas preparem nossos filhos para a vida de trabalho, social e de cultura, para que "tenham vida em plenitude", como nos revelou o mestre Jesus Cristo.

A matéria vai além ao afirmar que "São Paulo teve um desempenho dentro do padrão Brasil. Nossa expectativa era de que fosse melhor, por causa dos recursos e da estrutura existente na cidade". São palavras de Mozart Ramos, presidente executivo do Todos Pela Educação.

Ora, se apenas 26 alunos entre 100 atingem um conhecimento de nossa língua razoavelmente adequado, o que podemos esperar do futuro dessa geração? Que capacidade terão esses futuros jovens para ler jornais e revistas e se informar? Que possibilidade terão de entrar no mundo das leituras que se fazem necessárias para compreender os graves problemas econômicos, sociais e culturais do mundo atual, especialmente do Brasil?

Avançando, a matéria revela ainda que na oitava série (fim do ensino fundamental) a matemática foi a grande vilã com apenas - pasmem – 7 crianças entre 100 atingindo um índice de aprendizado satisfatório. Vendo por outro lado, de cada 100 crianças 93 não fizeram o aprendizado mínimo na disciplina.

Se a estrutura escolar permitia prever melhor desempenho, ainda que medíocre, que nível de estrutura educacional é esta? Que quantidade de recursos vem sendo aplicada para a formação de nossa infância e juventude? Se compararmos o montante de dinheiro público que vem sendo jogado para o colo dos banqueiros agiotas – muitas centenas de bilhões de reais em apenas alguns anos –, veremos o grau do crime político e social que esses governantes (municipais, estaduais e federal) vêm cometendo contra todo o povo brasileiro.

Ficam algumas perguntas: onde estão os profissionais da educação que se calam ante essa barbárie? Como podem aceitar calados que sejam responsáveis por aplicar essa nefasta política educacional que vem sendo imposta pelos governantes inescrupulosos? Será que não pensam que estão construindo um mundo piorado para as futuras gerações, incluídos aí seus filhos, filhas, netas e netos? Onde estão os dirigentes de sindicatos e associações de professores que se contentam em disputar eleições e imprimir alguns jornais sem propostas de mobilização nacional? Com quem estão comprometidos? Com a qualidade de vida do nosso povo ou com aqueles que estão no poder?

A última pergunta vai para pais e mães: por que não aderir de corpo e alma aos movimentos que defendem a implantação de um sistema de educação que ajude a formar seus filhos para a vida, e para a vida com qualidade, em vez de vida vegetativa e de carneiros que tudo aceitam passivamente? Afinal, somos ou não responsáveis pelos filhos que colocamos no mundo?

Waldemar Rossi é metalúrgico aposentado e coordenador da Pastoral Operária da Arquidiocese de São Paulo.

A DOENÇA DA PRETENSÃO

Nossa liberdade, fruto do livre arbítrio, nos habilita a promover nossas potencialidades, proporcionando maior bem estar e provisão do que necessitamos de indispensável no curso de nossa exixtência em sentimento e matéria.

É essa liberdade que nos faz conhecer a nós mesmos mostrando nosso eu do qual não é possível nos escondermos pela didática de não se poder permitir nenhum tipo de aprisionamento do espírito, o que ocorrendo, faz nosso ser ficar pequenino diante de nossas realidades, o que acontece com a pobreza interior do pretensioso, embora sua incapacidade não ouça os clarins de seus absurdos.

A pretensão tem um exclusivo remédio, o prêmio da indiferença.Nossas realidades nos dão alegrias ou depressão, esta precedida de angústia e ansiedade, fobias e descaminho.

Se permitirmos, de alguma forma que algo ou alguém vede esse amplo abraço espiritual que nos devemos, chegado pela inteligência mediana, diante da legítima liberdade de pensar e agir que nos é inerente, teremos a presença forte dos grilhões que impossibilitam a grandeza de nossa caminhada plena, que é só nossa. Ninguém deve necessitar do aplauso barato de terceiros, nem do reconhecimento originado de qualquer espaço por um simples motivo, os julgamentos dos outros , embora respeitáveis, são locais de nenhuma valia para nossos credos ou condutas.

NINGUÉM É SOZINHO SE TEM RIQUEZA INTERIOR, IMUNE A ELOGIOS!

A pretensão engana o pretensioso, desconhecedor de seus limites, pequenos, como a inveja pune ao invejoso, comendo sua própria carne, da mesma forma que o avarento acumula para transferir o que tem no futuro, sem usufruir o que tinha, e ainda assim se acha inteligente.

Essa vontade fica sobre nós mesmos, deve ser repelida, imaginosa e imaginária, escorregadia no terreno alheio ao que somos, gerando o pântano da desordem espiritual, nos levando ao caos como ser existencial, entre vícios e comprometimentos.

Barrar nossos limites que teimamos em não enxergar, pretendendo ser mais do que
somos é necessário para ordenar nosso ser.

Precisamos enquanto vivemos, na curta passagem que é um sopro como percebia Santo Agostinho, fazer valer nossos sonhos pois tudo que vive é sagrado e deve ser altar do respeito de todos e sacrário da liberdade inviolável.

Realizar tudo que se coaduna com o que somos e aspiramos é missão que não deve ficar vazia, sem o que comprometemos nosso eu na formalização do sentido maior traçado para o que viemos em nossa brevíssima passagem.

Sem tal posicionamento seriamos um espírito que vagueia em busca de sua razão corpórea irrealizada, mesmo após a passagem para outros espaços no transcendentalismo acreditado pelas razões encontradas na fé.

Somente sendo sinceros com nossas verdades, com nós mesmos, com nosso mundo
imodificável, entendendo que não somos o mundo mas do mundo e nossa estatura é do tamanho dado por Cristo e seu Pai, é que podemos realizar nossos sonhos.

Poderemos nesta visão de realidade perceber que não somos mais do que somos, mesmo que tentemos ou nos enganemos, mas o que somos devemos ser, fazer e existir e por isso lutar.

Sendo o que somos podemos mais, não só por projetarmos a verdade mas também por deixar acesa a vela da honestidade de conduta social, iluminando o que não vê, o que não se quer ver, e principalmente o que se esconde de si na imaginação que traça as linhas fictícias alimentadas por todas as seqüelas de vontades inatingíveis, patológicas, viciadas, escondidas na sombra da pretensão vazia,fantasias surda a todos e muda na fala que não comunica, os doentes do ego,fechados à caridade sem trocas e ao altruísmo, por só verem a sua anã realidade que não transpõe o umbral da mentira, isolados sob as cortinas do teatro sem espectadores achando que está cheio.

A benção de sermos nós mesmos une a vontade à realidade, construindo o projeto de vida que a nós destinado. Aí está a missão sagrada que afasta as intempéries do caráter duvidoso, por esse meio achada a felicidade de encontrar dentro de nós todas as verdades e assim podendo encontrar a verdade maior, nós mesmos,imagem e semelhança de Deus, a criatura próxima do Criador.

Apaguemos esse invólucro irreal, necessidae de fugir de nós mesmos, por todos os meios sejam quais forem, empunhando a adarga da patologia, arrastando vícios e seqüelas de toda sorte na procissão da insegurança que arrasta inocentes e vítimas. consciência, da qual nada pode se subtrair, nosso implacável tribunal, mostra o que somos, juntamente com toda a sociedade em que vivemos.

Somos muito, somos descendentes do Cristo e de David na ancestralidade que faz de todos um só. E o que somos é o resultado da mais perfeita celebração da natureza, alma e pensamento somados ao pó animado que inala oxigênio, antes do encontro com a subida da montanha, quando realmente desnudos ao vento e dissolvidos seremos também a luz do sol.

Em “A Linguagem de Deus”, obra prima do momento, esgotada em praticamente todas as livrarias, o notável cientista crente em Deus Francis Collins, que mapeou o genoma, subsidiado o projeto pelo governo americano diz: “Primeiramente, reconheçamos que uma grande parcela de nosso sofrimento e de nossos semelhantes origina-se do que fazemos uns aos outros”.

Com todo a reverência que merece quem irá ser conhecido em cem anos próximos como um dos mais eminentes cérebros em termos de descobertas, pior que o mal que fazemos uns aos outros, que é de grandes proporções, desde a família, na comunidade e nas nações, é o que fazemos a nós mesmos,e este é origem daquele.

Não sendo o que somos, seremos casca de um fruto amargo que nós mesmo repudiamos e assim não podemos olhar nosso interior, só o fazendo através da pretensão, félea.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Charge do dia!!!

URUBUS E GARIMPEIROS

As reações de professores ante os alunos retornando às aulas são multo variadas. Mas, hoje em dia, a reclamação supera qualquer tentativa de consideração de uma realidade mais feliz.

Voltam os alunos e reencontram os mestres na apreensão do aumento salarial. Somam-se aos dissabores do magistério, sobretudo dos mais frustrados, a fraqueza acadêmica cada vez maior dos alunos, a displicência generalizada de toda a sociedade em relação à educação, a descrença na capacidade de uma escola efetivamente ensinar.

Não abordo o problema da educação porque a televisão está influenciando mais do que a própria escola, pela modernidade e capacidade visual de persuasão.

A propaganda de volta às aulas é uma vergonha contrastando com a outra a favor da educação para todos, quando diz que é por ali que se começa.

A televisão mostra uma sala em desordem, alunos jogando papel por todas as partes até a chegada de uma professora colocando tudo em seus lugares. São duas visões. É por aí que se começa, pelo lápis ou pela confusão? Alguns não querem começar por causa da desmotivação e do desânimo e estão vitimados pela descrença.

Ante este quadro tão pessimista, mas real, da educação, das escolas e do professorado, dois comportamentos se destacam: o do urubu e o do garimpeiro.

Triste e aborrecido, faminto e sedento de carniça, o urubu sobrevoa uma linda planície verde, plantada em sua maior parte, observa rios cristalinos, rodopia por sobre árvores frutíferas e desce rapidamente em direção ao que mais chamou a atenção: A CARNIÇA. Podre, fedo¬renta e insuportável, ela é digerida. Assim são alguns destes que retomaram à escola sem a mínima dose de esperança em alguma transformação.

Sobrevoando as cabeças dos alunos, observando os olhares atentos dos primeiros dias, os sorrisos e a beleza das crianças, detém-se naqueles aspectos de reprovação, desânimo e apostam na derrota.

Outro grupo manifesta-se como garimpeiro, a imagem do otimismo, atolado na água suja do regato, no meio da lama lidando com a bateia, revolvendo o cascalho, vê, no meio da sujeira, o brilho inconfundível do diamante.

Aos mestres não é preciso dizer sobre o início da nova batalha. Importante seria que refletissem sobre as duas imagens propostas, para que cada um pudesse optar por ser mais um garimpeiro neste espaço geográfico de nossa educação, cheio de urubus.

Golpe do ‘torpedo’ valioso chega na fronteira acriana

O golpe do ‘torpedo’ – mensagem MSM – chegou na fronteira acriana. Duas mulheres que quiseram manter o anonimato, foram umas das tantas vítimas pelo Brasil. Segundo o depoimento, receberam uma mensagem de texto no celular onde dizia que havia ganhado um carro pelo SBT – Sistema Brasileiro de Televisão.

Empolgadas, entraram em contato com o número (85) 8613-6437 ou 9654-3012, onde um homem identificado por Luiz Henrique Marinho que confirmou o sorteio do carro. Passou a dizer que seria fácil receber o prêmio que seria um carro modelo Astra Sedan no valor de R$ 47.000,00 (quarenta e sete mil reais).

Para aumentar ainda mais a ansiedade e o desejo de ganhar o prêmio, dizia que poderiam optar por receber o valor do carro em dinheiro direto na conta até o final do dia. Mas, para receber o valor, teria que depositar um valor para que fosse pago o seguro obrigatório do veículo.

Foi passado então duas contas pessoais da Caixa Econômica Federal. A primeira seria no nome de Albaniza Rodrigues dos Santos, na agência 3281, operação 23, conta nº 3462-9. A outra seria no nome de Cosmo Garcia França, na mesma agência e a conta diferente, nº 3357-6.

Com a esperança de receber os 47 mil, o valor inicial seria de R$ 100,00. Feito o depósito, retornaram a ligação e souberam que teriam que fazer outro, só que no valor de R$ 300,00 para outra taxa. Foi quando as senhoras então passaram a desconfiar e disseram que não teriam o valor pedido.

Mesmo assim, ainda tentaram barganhar baixando o valor da segunda taxa e foi quando ‘caiu a ficha’ e viram que haviam caído em um golpe. No próprio sitio do SBT, existe um comunicado onde avisam desse golpe que está sendo aplicado em todo o País e que a Empresa não envia mensagens para celulares avisando de prêmios.

Para as duas, só resta lamentar que perderam a quantia de R$ 100,00 (cem reais) cada uma. Segundo as autoridades, os golpistas preferem mulheres por serem mais fácil iludir com ofertas grandiosas como um carro de grande valor. Pede-se que não respondam as mensagens e comuniquem às autoridades para que tomem as providências e prendam essas quadrilhas.

Rebelião em penitenciária na Capital pode ter deixado três agentes feridos

Segundo o sitio ac24horas, as noticias ainda não foram confirmadas pela direção do Sistema Penitenciário do Estado, onde dão conta de que três agentes penitenciários que trabalham no presídio de segurança máxima, Antonio Amaro Alves, foram atacados e furados por presos que estão no Regime Disciplinar Diferenciado, conhecido por RDD.

Epitaciolândia está entre os cinco municípios brasileiros com maior risco de surto de dengue

Dados divulgados pelo Ministério da Saúde asseguram que a região do município de Epitaciolândia e adjacências, na fronteira com a Bolívia - devido o número elevado de notificações - apresenta o maior risco, em todo estado, de desencadear nos próximos dias um "surto de dengue".

Segundo informa o Ministério da Saúde, em 2007, 1,1% da população de Epitaciolândia contraiu dengue. Em 2008, em função da ausência de intervenções de controle da doença, o número subiu para 7,4%, aumento de mais de 600% no número de casos notificados.

Ainda segundo os dados, 53,3% dos criadouros permanentes do mosquito transmissor da dengue estão relacionados à destinação inadequada do lixo urbano.

CANIBALISMO NA AMAZÔNIA - VERSÃO MAQUIADA PELO SITE 'A VOZ DO ACRE'

A Voz do Acre
Quatro índios da etnia Kulina - Antônio Dedé, Socorro, Todomar e Macaquinho, são acusados de matar e esquartejar Océlio Alves de Carvalho, de 21 anos, há três dias, em Envira (AM). A polícia diz que eles comeram as vísceras da vítima em um ritual de canibalismo.

De acordo com o delegado da região onde está localizada a aldeia de Cacau, sargento PM José Carlos Corrêa, Océlio tinha um bom relacionamento com os índios acusados de sua morte. Ele conta que Océlio conduzia o gado pela estrada, quando encontrou-se com os índios, seguindo com eles para a aldeia. Depois disso desapareceu. Os próprios acusados do crime andaram comentando o fato com outros moradores da aldeia, onde residem 190 famílias kilina.

Nessa sexta-feira o administrador da Funai no Estado do Amazonas, Edgar Rodrigues, afirmou que ordenou a um funcionário do órgão em Eirunepé, município distante de Envira cerca de dois dias de barco, que se descolasse ao local do crime.

Rodrigues admite que pode pedir ajuda da polícia federal, mas antes quer fazer um diagnóstico da situação. Há informações que alguns índios cercaram a delegacia onde Macaquinho, único detido até o momento, encontra-se preso.

Para o prefeito de Envira, Rômulo Matos, "este é mais um caso relacionado ao alto índice de alcoolismo dentro da comunidade de Cacau. Matos declara que a preocupação é muito grande, porque no município não existe qualquer representação da Funai.

Em Envira só se chega de barco ou de avião fretado em Eirunepé (AM) ou Rio Branco (AC). O município está localizado na divisa entre o Amazonas e o Acre.

Fernando Henrique defende estudo sobre descriminalização da maconha

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu nesta quarta-feira, na reunião da Comissão Latino-Americana sobre Drogas e Democracia, no Rio de Janeiro, uma análise sobre a descriminalização da maconha sob o argumento de que isso já vem sendo feito em muitos países. Ele deixou claro, porém, que considera o uso da droga “danoso”, mesmo que o usuário passe a não ser com tratado como criminoso.

O relatório da comissão, que é integrado por ex-presidentes da República da região e que será enviado à Organização das Nações Unidas(ONU), à União Européia e aos Estados Unidos, pedirá mudanças nas políticas de combate ao tráfico de drogas. O texto dirá ainda que elas estão fracassando na América Latina.

É preciso diminuir o uso, diz FH
Em sua participação, Fernando Henrique afirmou que é “preciso começar a avaliar a conveniência de descriminalizar o porte da maconha para o consumo pessoal. Isso já está sendo na prática feito em muitos países”.

Para o ex-presidente, o estudo da descriminalização deve ser acompanhado de outras medidas:

“Se você fizesse a descriminalização da maconha, do uso, isoladamente também não vai servir. É preciso que haja, ao mesmo tempo, todo um conjunto de políticas de prevenção, de mostrar que é preciso diminuir o uso, uma ação preventiva. Ou vem simultaneamente uma ação preventiva ou simplesmente a descriminalização vai aumentar o uso, e ele é danoso. Nós não estamos dizendo que ele não é danoso, não. Faz dano“.

No relatório do grupo, que é liderado pelos ex-presidentes do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, e da Colômbia, Cesar Gaviria, deverá constar que a guerra contra o tráfico está sendo perdida na região e que os países da Europa e os Estados Unidos, que têm os maiores mercados consumidores: enquanto a procura for alta, as áreas plantadas para a produção de maconha e cocaína continuarão em alta.

A GLOBALIZAÇÃO DOS BIOCOMBUSTÍVEIS

Estudo aponta parceiros estratégicos do Brasil em biocombustíveis: países asiáticos são potenciais consumidores e os latino-americanos os grandes fornecedores

Por Thiago Romero

Agência FAPESP – No mercado ainda em formação de energias alternativas ao petróleo, os países latino-americanos são vistos como potenciais fornecedores de etanol e outros biocombustíveis, enquanto as economias asiáticas, devido ao grande crescimento econômico e à carência de recursos energéticos para mantê-lo, seriam os principais consumidores.

É o que destaca um estudo publicado na Revista Brasileira de Política Internacional, de autoria de pesquisadores do Departamento de Administração da Universidade de Brasília (UnB), que apresenta as perspectivas latino-americanas e asiáticas em combustíveis renováveis.

A partir de uma revisão da literatura especializada e de dados primários fornecidos por órgãos multilaterais, nacionais e privados, o estudo descreve como a indústria vem se estruturando e como os países deverão se inserir de forma competitiva no novo mercado. O trabalho aponta que, por motivos ambientais e tecnológicos, o Brasil é tido, na maioria dos estudos analisados, como o país que lidera o setor de bioenergia no mundo.

“Mesmo reconhecendo a importância da cooperação brasileira com os Estados Unidos, atualmente o maior produtor de etanol do mundo, há um grande potencial de cooperação e comércio entre os países latino-americanos com os do leste e sudeste asiático”, disse Gilmar Masiero, professor da UnB e um dos autores do estudo, à Agência FAPESP.

Em março de 2007, quando o então presidente dos Estados Unidos George Bush visitou o Brasil, foi assinado um memorando de cooperação na área entre os dois países, que são responsáveis por 70% da produção mundial de biocombustíveis.

Os Estados Unidos, segundo o estudo, produzem etanol a partir do milho de forma menos eficaz do que a cana-de-açúcar brasileira e a produção, além de ser fortemente subsidiada, é protegida com elevadas taxas restritivas à importação do etanol brasileiro.

“Esse acordo expressa a intenção dos dois países de cooperar no desenvolvimento e na difusão dos biocombustíveis em uma estratégia de três níveis: bilateral, com terceiros países e global. Atualmente, outro importante produtor e consumidor de biocombustíveis na forma de biodiesel produzido a partir de produtos agrícolas é a União Européia, sendo Alemanha e França os maiores produtores mundiais desse recurso energético”, destacou Masiero.

A cooperação dos dois maiores produtores de etanol (Estados Unidos e Brasil) somada aos interesses de grandes produtores e, ao mesmo tempo, dos grandes consumidores de biocombustíveis, deverá impulsionar ainda mais o desenvolvimento de um mercado global dessa fonte renovável de energia.

“Esse mercado pode ser impulsionado com a especialização latino-americana de produção de etanol e sua exportação para os países asiáticos com restrições de terra e tecnologias para o seu desenvolvimento”, disse.

Parcerias latino-americanas
O estudo mostra que o Brasil conta com parcerias em biocombustíveis com a maioria dos países da América Latina, sendo que, de modo geral, apenas o Chile e o Equador ainda não formalizaram um acordo com os brasileiros, apesar de já existirem negociações informais para que isso ocorra.

A maior parte dos governos latino-americanos estaria buscando criar infraestrutura regulatória e financeira para desenvolver a emergente indústria de biocombustíveis. O Brasil, devido ao pioneirismo no setor, tem firmado parcerias de transferência de tecnologia e cooperação na produção e comercialização de biocombustíveis com vários desses países.

De acordo com o estudo, além da liderança brasileira na produção e comercialização dos biocombustíveis, outros países latino-americanos começam a desenvolver essa importante fonte de energia renovável. Na Colômbia, por exemplo, a necessidade de diversificação do consumo de energia e da produção agrária, junto com a possibilidade de criação de novos empregos no campo com a substituição das plantações de coca, tem impulsionado o país a investir no setor.

As expectativas de expansão da produção bioenergética também são grandes na Argentina, que por ser muito dependente de combustíveis fósseis também procura diversificar sua matriz energética: tanto o setor privado como o público têm investido em pesquisas para obtenção de tecnologias, em incentivos na produção agrícola e no uso de combustíveis mistos.

A total dependência externa do Paraguai por petróleo e sua economia predominantemente agrária, aponta o artigo, também fazem desse país um forte candidato a desenvolver uma forte indústria de biocombustíveis. “Hoje, a mistura de 24% de etanol na gasolina é obrigatória e 15 novos projetos vem sendo desenvolvidos pelo governo do país, alguns relacionados à utilização de sebo animal para a produção de biodiesel”, aponta o artigo escrito por Masiero e Heloisa Lopes, graduanda em administração pela UnB.

Ainda no contexto sul-americano, a Venezuela, que é grande produtor de petróleo, também possui potencial para ser um significativo produtor de biocombustíveis devido ao seu clima, tamanho, topografia e quantidade de terras cultiváveis. “No entanto, como ainda não há uma política oficial do governo para o setor e a indústria de açúcar não possui estrutura suficiente para abastecer os dois mercados, alimentício e energético, o país parece permanecer como importador de etanol por mais alguns anos”, apontaram.

Segundo o artigo, os elementos para o desenvolvimento dos biocombustíveis também parecem estar presentes no Peru e no Uruguai. No primeiro país, uma estrutura legal básica que garante, entre outras coisas, índices de mistura nos combustíveis, já foi instituída, além de que o país possui uma indústria capaz de sustentar a produção do etanol.

A política energética uruguaia, por sua vez, é altamente integrada com a de outros países membros do Mercosul e apresenta um cenário favorável ao desenvolvimento de biocombustíveis com um sistema legal forte, novos investimentos e mercados financeiros abertos. O Chile, por sua vez, apesar do interesse de iniciar a exploração do mercado de combustíveis renováveis por empresas locais e até pela brasileira Petrobras, ainda não produz biodiesel ou etanol, a exemplo do que ocorre no Equador.

“Em países tão diferentes como Argentina, Colômbia e Peru, os governos estão procurando instituir forte infraestrutura regulatória para servir de base para essa nova indústria, sendo na maior parte dos casos adaptações da experiência brasileira”, destaca o artigo.

Países asiáticos
O estudo da UnB ressalta ainda a importância dos países asiáticos no desenvolvimento da emergente indústria dos biocombustíveis. Do ponto de vista da produção e do consumo, a China e a Índia seriam os principais atores no mercado de biocombustíveis, sendo, respectivamente, o 3º e 4º maiores produtores mundiais de etanol e o 5º e 6º maiores produtores de biodiesel.

A indústria automobilística chinesa, uma das que mais crescem no mundo, também deverá impulsionar a expansão de iniciativas voltadas à produção e ao consumo de biocombustíveis.

“O mesmo processo está ocorrendo com a Índia, onde a rápida expansão de sua indústria automobilística pressiona o país para reduzir seus 70% de dependência enérgica do exterior, além de que a vasta extensão territorial do país e sua larga tradição agrícola possibilitam imaginar que suas ainda incipientes iniciativas na área do biodiesel e etanol se expandam rapidamente”, disse Masiero.

Índia e Brasil são os dois maiores produtores mundiais de cana-de-açúcar e, desde 2003, possuem um memorando para cooperação no desenvolvimento tecnológico do uso de etanol como combustível. O estudo mostra ainda que o Japão e a Coreia do Sul são os grandes produtores de etanol a partir do arroz para uso na indústria de bebidas e de alimentos, mas por outro lado os dois são 100% dependentes da importação de petróleo para movimentar suas indústrias e frotas de veículos.

No Japão não existe nenhuma medida governamental obrigando ao uso de biocombustíveis, mas o governo daquele país tem incentivado a mistura de 3% na gasolina, enquanto na Coreia do Sul apenas 0,5% de biodiesel proveniente do arroz ou de óleos reciclados é misturado ao diesel.

“Além das restrições de áreas agricultáveis, a maior parte dos países asiáticos apresenta grande densidade demográfica. À insegurança alimentar pode-se se somar a insegurança energética, o que estimula ainda mais os acordos de cooperação entre esses países e os latino-americanos, que produzem os mesmos insumos básicos para a produção de etanol ou biodiesel”, afirmou Masiero.

ONDE ESTÁ O EMPREGO EM 2009 E NOVAS IDEIAS

Escrito por: Welinton dos Santos que é economista e psicopedagogo

Existem setores em 2009 com expansão de contratação, como o caso da área de telemarketing, provocada pela regulação do sistema de atendimento no Brasil. Este setor espera contratar por volta de 78 mil novos profissionais, por todo o país, em funções que geralmente exigem o ensino médio.

Outros seguimentos precisam contratar em virtude do aumento do atendimento de serviços, que são as áreas de saúde e educação, que vão crescer no mínimo mais 3%, com muitas vagas abertas para enfermagem, médicos, professores de idiomas, telemedicina e outros.

Áreas como engenharia da computação, vendas, restaurante e administrativa operacional, continuam com demanda de contratação em vários locais do Brasil. O turismo está impulsionando a contratação temporária e efetiva em muitas cidades do Brasil. Cidades como São Paulo já atraem por volta de 11 milhões de turistas por ano, sendo 1,7 milhões de estrangeiros. Atraídos pela gastronomia e diversificação cultural. O turismo é o setor que mais emprega no mundo no momento.

Comentar um exemplo: muitas cidades do Brasil podem conseguir espaços para avançar e gerar empregos no turismo. Em Goiânia, com boa qualidade de vida, observando uma logística mais adequada de atendimento ao turista, treinamento e investimentos, com certeza poderá ser a porta de entrada do turismo na região, que é menor do que o volume de turistas recebidos pela cidade de Caldas Novas.

Produção de ovos de páscoa, hotéis, restaurantes, call centers, indústrias do vestuário, obras de infra-estrutura, informática de programação, e-commerce, setor de consórcios, são outros exemplos de setores que estarão contratando no início de 2009.

Precisamos combater a raiz do desemprego que é motivado por alguns fatores, como: alta taxa de juros que provoca desinteresse em investir na produção e incentiva a aplicação no sistema financeiro; desqualificação profissional (muitos setores estão carentes de mão-de-obra qualificada, principalmente técnica); desonerar a folha de pagamento aumentando os impostos sobre o valor do produto agregado.

Dentre muitas idéias para geração de empregos posso citar:
> Manter investimentos em educação – principalmente em programas de qualificação profissional dirigida e assistida, atentando a realidade do mercado;
> Reduzir as taxas de juros e principalmente o spread bancário para incentivar o setor produtivo;
> Investir em novas tecnologias que podem gerar milhares de empregos (devo salientar o Programa PRIME da FINEP, como uma grande alternativa de alavancar novos produtos e negócios), dentre estas, destaco o desenvolvimento e incentivo a energia solar, medicina alternativa, acquacultura, tecnologia naval, pesca turística, serviços on-line, áudio-visual e outros.
> Melhoria do custo Brasil, atacando pontos como a logística de distribuição integrada, diminuição de tributação e melhoria de processos de liberação de mercadorias, com sistemas integrados mais eficientes que diminuam a burocratização e ao mesmo tempo aumente o controle e fiscalização do setor.
> Aumento da fiscalização tributária em todos os níveis;
> Incentivar a criação de empresas sociais;
> Implantar novos projetos de economia solidária e fomentar a pesquisa sobre estes projetos; Incentivar e ampliar os bancos do povo;
> Criar cooperativas de exportação, estabelecendo parcerias internacionais;
> Criar núcleos de desenvolvimento da criatividade;
> Implantar sistemas de empreendedorismo;
> Qualificar e revitalizar o sistema agrícola familiar;

São pequenas ações que podem auxiliar a impulsionar o emprego, além das medidas já anunciadas pelo Governo Federal de incentivar o crédito e os investimentos como a diminuição do IPI, IOF, IRPF, aumento do salário mínimo, aporte de recursos ao BNDES para investimentos que gerem empregos.

Este é o momento da ação.

Liberdade até o fim

Escrito por Tereza Cristina Maldonado Katurchi Exner

Decidiu o Supremo Tribunal Federal que o réu já condenado em 1ª. e 2ª. instâncias deve permanecer solto, se pendente de julgamento eventual recurso especial (perante o STJ) ou extraordinário (perante o STF) interposto pela defesa. Trata-se de decisão tomada por 07 votos a favor e 04 contrários. O argumento vitorioso é de que o princípio constitucional da presunção da inocência deve prevalecer.

Vale dizer, ainda que se trate de réu confesso, autor de crime grave, com provas fortes e convincentes amealhadas ao longo de regular instrução criminal, basta a interposição de recurso para uma das Superiores Instâncias sediadas em Brasília – recursos que, note-se bem, não são dotados de efeito suspensivo - para que o condenado continue usufruindo de seu direito de permanecer livre, ainda que o reclamo se mostre destituído de base legal, sendo nitidamente utilizado apenas para retardar o andamento da execução ou viabilizar a ocorrência da prescrição.

Disse o eminente Relator, Ministro Eros Grau, em seu voto que, ou nos subordinamos ao princípio da presunção da inocência previsto constitucionalmente, ou saímos por aí "... cada qual com o seu porrete, arrebentando a espinha, a cabeça de quem nos contrariar. Cada qual com o seu porrete!" (consoante voto proferido no julgamento do HC 84.078-7/MG, cujo teor consta da revista eletrônica consultor jurídico, http://www.conjur.com.br/, publicação de 05.02.09).

Pois bem, por evidente que o princípio constitucional vigente não pode ser ignorado, obrigando todos os cidadãos.

De outro lado, e como foi superiormente abordado pelos ilustres Ministros vencidos por ocasião do histórico julgamento, a legislação brasileira é das mais pródigas em recursos à disposição da defesa.Implica, pois, admitir que a concretização da Justiça, pelo menos para alguns, será tardia, muito tardia, o que, como se sabe, é o que de pior pode acontecer em termos de prestação jurisdicional. Não por acaso a todo tempo, em toda a sociedade, discute-se a "morosidade da Justiça".

Claro, ainda, que a partir de hoje todo e qualquer advogado, no atuar legítimo em defesa dos interesses de seus clientes, notadamente aqueles mais abastados, farão chegar às Cortes Superiores mais e mais recursos, congestionando-as sobremaneira.

De qualquer modo, diante da decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal, intérprete máximo da Constituição, a ser obedecida por todas as instâncias do Poder Judiciário, só nos resta aguardar uma reforma legislativa urgente que permita se adequarem os preceitos processuais a respeito do tema em questão com o teor de nossa Constituição cidadã, em conformação com a decisão do Supremo - e, enquanto isso não ocorrer, esperar que nossas Cortes Superiores passem a priorizar os julgamentos das causas criminais, imprimindo-se maior celeridade, não permitindo que a sensação de impunidade tome conta de vez de nossa sociedade, de modo que a população, notadamente as vítimas, se sintam autorizadas a fazer justiça com as próprias mãos, cumprindo-se, pois, de algum modo, o temível alerta que o eminente Relator da decisão ora em comento fez constar de seu voto, o que por certo não se deseja, nem se pode consentir.

Tereza Cristina Maldonado Katurchi Exner é Promotora de Justiça e integrante do MPD – Movimento do Ministério Público Democrático

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Charge do Dia!!!

Ausência!!!!

Estive alguns dias in off, sem escrever e sem internet... enfim um caos total: Caixa de email abarrotada, mil e um contatos aguardando retorno, atraso de alguns projetos e tudo devido a um “maravilhoso” vírus que danificou meu pc, é o preço que se paga por confiar em abrir um anexo de email, que por sinal era de fonte confiável, lição da história cuidado com os amigos que você encurrala com assuntos delicados que certas pessoas insistem em mantê-los sobre o égide do desconhecimento dos interessados.

Pois bem, valeu o dinheirinho anteriormente investido em um drive externo para cópia de segurança dos meus dados, já que não perdi uma vírgula do meu computador infectado.

Como não utilizo outro computador para acessar conteúdo de ordem pessoas este espaço ficara sem atualização, mas estou de volta e com a língua afiada e cheio de farpas para distribuir:

Apesar de ter sido agraciado com o Vírus virtual e com o Rota Vírus na saúde física , aproveitei os finais de tarde para conversar com algumas pessoas de Xapuri, como sempre o assunto principal o que de interessante está acontecendo na “Princesinha do Acre”, e listo alguns tópicos interessantes:

- Esperança Falecendo...
O mais interessante das sondagens realizadas é que muitas pessoas que acreditavam que Xapuri poderia da noite para o dia mudar a realidade com a nova Administração, já estão necessitando de um tônico de rejuvenescimento da esperança, pelo que notei que muitos já estão descontentes, não só pelas ações iniciais da nova Administração, como pelo tratamento dado ao funcionalismo público. Podem até enfeitar números, dizer que está tudo bem, que estão arrumando a casa, mas que a população esperava mais, a isso com certeza esperava. Questionados por este humilde curioso sobre o pouco tempo da nova gestão, a resposta fora a mesma: de que caso tivessem que esperar até que a “casa” fique pronta para ser administrada, pode durar muito tempo. Outra situação aparente é que me parece que alguns colaboradores do novo Prefeito ainda não caíram nas graças da população, já que ou são conhecidos de outros carnavais ou ainda geram certa animosidade... é bom o Prefeito ficar de olho!!! Outra coisa que concordo plenamente é que as festividades do 20 de janeiro não deslancharam, principalmente no que diz respeito ao shopping popular criado no lugar das tradicionais barraquinhas , apesar de estar muito bem organizado na questão estrutural e visual, culturalmente foi um tiro no escuro que não agradou a populares e a muitos dos camelôs que por aqui estiveram. Outra situação que é bom ser resolvida logo é a saúde....

- A Saúde crônica de Xapuri
Antes de mais nada, não se justifica as desculpas “justificativas” até agora dadas pela Nova Administração sobre o caos existente na saúde pública no município, antes de mais nada a nova equipe deveria assumir o compromisso de cuidar das pessoas e não de tramites burocráticos, a população não está interessada se os médicos tem CRM ou não, tão pouco se ainda não efetuaram aquisição dos medicamentos para a farmácia básica que atende principalmente os hipertensos e diabéticos carentes da comunidade, que por situações financeiras ainda não providenciaram atendimento as centenas de pessoas que procuram os Centros de Saúde, do Centro, do Pantanal, do Mutirão, da Bolívia, e da Sibéria e não conseguem atendimento, é inconcebível senhores que passados 35 dias da nova Administração, não tenha sido possível a contratação de um médico para atender unicamente uma pessoa sequer pela rede municipal de saúde, antes de tudo é uma falta de respeito com a população desta cidade principalmente quando estamos vivenciado um surto de dengue e de Rota Vírus, e até o Biomédico responsável pelos diagnósticos é sumariamente demitido.

A falta de respeito vai além, deixa toda a população dependendo unicamente do hospital local que possui apenas um médico por dia para atender toda a população urbana e rural, ou seja é um verdadeiro inferno procurar socorro naquela instituição, não que os profissionais daquela casa não atendam, o problema é que a demanda é imensamente maior que a disponibilidade de atendimento. Senhores abram os olhos para essa situação, esse povo não tem plano de saúde não, eles não tem condições de busca de outros centros urbanos para socorro não, coloquem a mão na consciência e façam algo que realmente interessa à população.

Esforço Pífio
Até agora ainda não compreendi a empreitada de mais de R$ 107.000,00 para a demolição do Centro de esporte e lazer Caleb Nascimento, se por ventura foi uma ação para que aos olhos das pessoas visse algum trabalho, ou se aquela obra feria mortalmente os olhos petistas já que era o “dengo” do ex-prefeito, ou ainda se a questão principal da equipe é apagar resquícios da existência política de Vanderley Viana. Por que convenhamos “porra nenhuma” fora construído no local se não algumas graminhas, troca de alguns ladrilhos e derrubar o que estava construído. Senhores cadê o projeto para mudar radicalmente o local, por que senão a ação foi pífia e irresponsável, já que coisas mais emergenciais tem para ser feitas. Que me desculpe, mas estão entrando na mesma marcha do prefeito anterior que vocês tanto questionavam.

Senhores ninguém deseja que embelezem Xapuri apenas que dêem um novo norte para o futuro da cidade, que é o que também espero...


Vereadores
Ta certo que os nossos queridos representantes ainda gozam do recesso parlamentar, porém vocês deveriam estar atentos a este inicio de mandato, ou ainda conhecer os verdadeiros problemas que a população vivencia, ou os discursos de palanque foram tudo troló-ló, engrana-trouxa? Pior que estou percebendo que apesar de ter acontecido uma renovação nos quadros legislativos municipal, infelizmente o mesmo não acontecerá com a qualidade dos trabalhos, que bom que pelo menos a Mesa Diretora, é um misto de experiência e inovação o que traz esperança. Que as seções senhores não sejam um conjunto de dicursos bestiais e demagogos, mas que vislumbrem a realidade Xapuriense.

Bem, chega neh.... pode atrair azar!!!! Mas uma coisa ainda quero acreditar que a boa vontade de melhorar a situação de Xapuri ainda não tenha falecido nos novos gestores e por favor, não criem novidade para o Carnaval, não!!!!

Região do Alto Acre é bombardeada com quedas de energia e comunicação

Os Municípios que compõe a Região do Alto Acre e Capixaba, pode-se dizer que estão a mercê da era 'neolítica’. Época em que o homem vivia na escuridão, sem nenhum meio de comunicação e caçando manadas de Mamutes – elefantes gigantescos – para poder sobreviver.

Não vamos muito longe, mas, estamos sendo quase que obrigados a isso por causas das empresas que fornecem meios de comunicação e energia no estado do Acre. Está tornando-se corriqueiro, a interrupção dos serviços citados e que é obrigatório por Lei, mesmo que sejam pagos pelos consumidores, caso não, é cortado sem pestanejar como se fosse pisado e esmagado.

Nos meses final do ano de 2008 e início de 2009, com a ligação do linhão vindo do Estado de Rondônia, muitos acreditaram que estaríamos entrando em uma nova era. Empresários até acreditam que, com o fornecimento de energia elétrica vindo de uma hidrelétrica, pode-se trazer empresas de grande porte para o Acre.

Já a comunicação, nunca viu-se um serviço tão precário. Mesmo sendo uma gigante no País, a Brasiltelecom talvez tenha o Estado do Acre e principalmente seus Municípios, como mera região da Federação a ser usada como cobaia para testes. Enquanto os grandes centros onde concentra-se maiores população, já tem o satisfatório.

Não sabe-se de quem é culpa, mas, com certeza os políticos não tem interesse em lutar por isso. Talvez pelo fato de não dar-lhe votos como os miseráveis que são obrigados a receber um cartão onde recebe uns míseros trocados. Já os executivos que ficam sentados em suas cadeiras em salas climatizadas, tão pouco lhe interessa a não ser o gordo salário e status para poder viajar para algum litoral nas férias com sua família ou até amante.

Já os órgãos judiciais, se caso ninguém o procure antes que receba um número de protocolo com data marcada, também não interessa. Enquanto isso, o cidadão que nesse País campeão mundial de impostos, não pagar os seus e suas contas, é fácil ter sua eletricidade, internet e telefone serem cortados como se fosse esmagado por uma manada de Mamutes. Ainda bem que os mamutes estão extintos.